Reforma Política

Para Temer, semipresidencialismo seria muito útil para o país é o título de matéria na Folha

O presidente Michel Temer elogiou nesta segunda-feira (21) a inclusão em uma reforma política de um sistema de semipresidencialismo.

Segundo ele, que afirmou discuti-la com a Justiça Eleitoral e com o Poder Legislativo, a iniciativa é uma das hipóteses “úteis para o Brasil”.

Mais cedo, na capital paulista, o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Gilmar Mendes, defendeu a mesma proposta e disse que discutiu o tema com Temer.

“Eu tenho conversado com o TSE, com o Rodrigo Maia, com o Eunício Oliveira e tenho conversado muito sobre isso. Se vai dar certo ou não, não sabemos. Mas temos conversado sobre isso como uma das hipóteses muito úteis para o Brasil”, disse.

O presidente defendeu a proposta durante almoço promovido pelo governo brasileiro ao presidente do Paraguai, Horácio Cartes, que realiza visita oficial ao país.

Pelo modelo, o presidente continuaria como chefe de Estado, atuando como uma espécie de poder moderador, e seria eleito um chefe de governo pelo Poder Legislativo, podendo ser trocado em tempos de crise.

Sob pressão dos partidos do centrão, que cobram maior espaço na Esplanada dos Ministérios, o presidente refutou a possibilidade de retirar cargos do PSDB, principal partido aliado do governo peemedebista.

“Estão bem nos seus cargos, nos cargos do governo. Colaboram muito”, disse.

GAFE

No almoço, o presidente cometeu uma gafe. Ele se referiu ao Paraguai como Portugal. Em brinde, ele se referia à integração latino-americana quando disse sobre o apreço na relação entre “Brasil e Portugal”.

“Na nossa Constituição, há um dispositivo especial que determina que toda e qualquer política pública do país se volte para a integração latino-americano e de nações. Portanto, quando fazemos isso, fazemos pelo apreço que temos na relação Brasil e Portugal”, disse.

Na tentativa de corrigir o erro, a Presidência da República alterou a fala do presidente na transcrição do discurso enviada para a imprensa.

“Portanto, quando fazemos isso, fazemos pelo apreço que temos na relação Brasil-[Paraguai]”, escreveu.

Deixe uma resposta