Crise

Estadão faz ranking da sucessão

De olho no Planalto

Rodrigo Maia

BANCÁRIO, 46 ANOS, PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS (DEM-RJ)

Prós:●Aliado de Temer e genro do ministro Moreira Franco, tem boa articulação no Congresso e trânsito com a oposição. É visto como representante da continuidade das reformas

Contras

●É investigado na Operação Lava Jato, integra um partido médio e não tem experiência no Executivo. Há dúvidas no mercado se teria habilidade política para governar

Quem o apoia ●Partes do PP e PSD e maioria do DEM, além de deputados do baixo clero da Câmara

Nelson Jobim

ADVOGADO, 71 ANOS, EX-MINISTRO DA JUSTIÇA E EX-PRESIDENTE DO STF

●É do PMDB, partido de Michel Temer. Conversa bem com integrantes das cúpulas petista e tucana e tem bom trânsito no STF, onde foi ministro de 1997 e 2006

●Integra o Conselho de Administração do BTG Pactual, que tem entre os sócios André Esteves, alvo da Lava Jato. Já prestou consultoria para empreiteiras que estão na mira da operação

●Setores do PMDB, PSDB e PT. Não empolga o mercado

Tasso Jereissati

ADMINISTRADOR DE EMPRESAS, 68 ANOS, SENADOR (PSDB-CE)

●Tem experiência no Executivo foi governador do Ceará por três mandatos – e no Congresso. É do PSDB, principal partido aliado do governo, o que favorece uma transição negociada

●Não é um nome que agrada ao Centrão e ao núcleo duro do Planalto. Em parte do País, é desconhecido do grande público. Já teve problemas cardíacos

●PSDB e setores do DEM. Agrada ao empresariado e ao mercado financeiro

Gilmar Mendes

ADVOGADO, 61 ANOS, MINISTRO DO STF E PRESIDENTE DO TSE

●Transita bem no Congresso e é crítico da Lava Jato, o que tem feito seu nome ser defendido tanto por deputados quanto por senadores

●Para ser candidato, precisa deixar o STF, onde pode ficar até 2030. Há dúvidas sobre se poderia se candidatar, já que não é filiado a partido político

●Parte dos parlamentares e de setores empresariais

Fernando Henrique Cardoso

SOCIÓLOGO, 85 ANOS, EX-PRESIDENTE DA REPÚBLICA

●É o mais experiente dos cotados e poderia ser um nome de reconciliação. Fundador do PSDB, representa a continuidade do processo de reformas

e segurança para a estabilidade econômica

●É o mais velho dos cotados. Sofreria resistência da oposição. Delatores da Odebrecht citaram sua campanha como beneficiária de caixa 2, o que motivou pedido de investigação

●PSDB e parte da opinião pública e do mercado

Henrique Meirelles

ENGENHEIRO CIVIL, 71 ANOS, MINISTRO DA FAZENDA (PSD)

●Daria continuidade às reformas e à agenda econômica. Agrada ao mercado e ao empresariado. Tem bom trânsito com petistas, tucanos e peemedebistas

●Já foi presidente
do Conselho de Administração da J&F, grupo envolvido na delação que causou

a mais recente crise política. Há temor
de que venha a ser investigado no futuro

●Maioria do mercado. Pode ser um dos nomes apoiados pelo Planalto

Cármen Lúcia

ADVOGADA, 63 ANOS, PRESIDENTE DO STF

●É a que menos tem ligação com a política entre os cotados, o que configura o perfil de outsider que pesquisas apontam como ideal para o Planalto

●É apoiada mais fora do que dentro do Congresso. Sem filiação partidária, nunca teve cargo no Executivo. Não se sabe se teria capacidade de articulação no Congresso

●Setores da sociedade civil. Não agrada ao mercado porque gera dúvidas sobre a continuidade das reformas

Modesto Carvalhosa

JURISTA, ADVOGADO, 85 ANOS

●Não tem ligação com partidos ou nomes envolvidos na Operação Lava Jato. Tem o apoio de juristas, advogados e nomes da sociedade civil

●Não tem apoio dentro do Congresso e depende de uma interpretação do STF para que, de fato, possa ser candidato. Tem pouco trânsito no universo político e partidário

●Setores da sociedade civil

Deixe uma resposta