Noticias

Em meio à crise das esquerdas, cartilha liberal vai para as urnas, diz O Globo

O desgaste das bandeiras da esquerda associadas ao PT e aos governos dos ex-presidentes Lula e Dilma motivou uma explosão de projetos eleitorais que têm a defesa do liberalismo como plataforma. Já há uma clara corrida entre forças políticas que disputam a simpatia desse eleitorado.

Depois da criação do partido Novo, um movimento chamado Livres anuncia o que diz ser a renovação do pequeno Partido Social Liberal (PSL) e quer turbinar propostas como a diminuição das áreas de atuação do Estado, a redução da carga tributária e o incentivo ao empreendedorismo.

Há claramente a falência do modelo de Estado grande, que não dá conta. As pessoas veem isso nos serviços não prestados pelo Estado. E o envolvimento dos grandes campeões (empresas turbinadas pelo então presidente Lula) e das empreiteiras nos escândalos de corrupção mostram o quanto esse capitalismo de Estado foi gerando corrupção e ineficiência — diz Paulo Gontijo, que assumiu a presidência estadual do PSL/Livres no Rio em fevereiro e atua como consultor de marketing político, tendo colaborado nas campanhas para a prefeitura do Rio de Fernando Gabeira (2008) e Alessandro Molon (2016), além da de Marcelo Crivella (2014) para o governo do estado.

O Livres se define como “uma startup incubada como tendência partidária dentro do PSL”, com o objetivo de “resetar” (reiniciar) o partido. O movimento já “virou a chave”, ou seja, assumiu o comando da sigla em 11 estados. Um dos idealizadores da iniciativa é Sergio Bivar, filho de Luciano Bivar, fundador do PSL. O partido pretende mudar de nome para Livres antes das eleições do ano que vem.

Apesar de terem discurso semelhante e disputarem o mesmo eleitorado, o ex-presidente do Novo João Amoêdo, que deve disputar a Presidência da República no ano que vem, diz considerar positivo o surgimento de várias forças na mesma corrente:

Penso que é mais gente divulgando ideias de liberdade do indivíduo e menor intervenção estatal.

Uma mostra de como os dois correm na mesma faixa foi a filiação do ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco ao Novo, depois de ele ter sido a principal atração do lançamento do Livres no Rio. O economista fez uma palestra no evento. Em uma política de boa vizinhança, o Livres parabenizou publicamente o Novo pela chegada de Gustavo Franco.

Na prática, uma das principais diferenças é que o Novo não usa recursos do fundo partidário, por ser contrário ao financiamento público. Já o PSL/ Livres se mantém com esse di-

nheiro e é contra apenas ao fundo eleitoral de cerca de R$ 2 bilhões aprovado pelo Congresso no início deste mês.

Segundo Gontijo, a aparente semelhança entre Novo e Livres é a pergunta “que todo mundo faz”, mas ele cita características que distinguiriam um do outro:

Existem algumas diferenças grandes. A primeira é geracional. Nosso partido tem quadros mais novos e talvez mais diversificados. A gente tem uma militância jovem, de 18 a 25 anos, temos mais capilaridade, mais núcleos municipais e uma forma de operação mais horizontal.

Tanto o Novo quanto o Livres adotaram ferramentas de gestão partidária que têm o objetivo de se diferenciar da política tradicional, na tentativa de promover a democracia interna, transparência e meritocracia. O Novo escolhe seus précandidatos por meio de um processo seletivo que consiste em provas, entrevistas, avaliação do currículo e de vídeos dos postulantes. Já o Livres está desenvolvendo um aplicativo no qual a militância acumulará pontos de acordo com a a conclusão de tarefas como filiação de novos quadros, organização de eventos e publicação de artigos, por exemplo.

Embora a defesa do liberalismo venha ganhando espaço no debate nacional e motivando novas iniciativas, Gontijo é cauteloso quanto ao resultado eleitoral:

Eu gosto muito da expressão “boom de liberalismo”. Eu espero que se traduza nas urnas.

Nessa corrente de pensamento político, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), é o nome hoje em evidência, embora sua participação na disputa presidencial de 2018 ainda seja uma incógnita. Hoje, os tucanos passam por uma crise em função do apoio ao governo de Michel Temer.

TENDÊNCIA INTERNACIONAL

O cientista político Fernando Sá, professor do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio, ressalta que essa é uma onda mundial, com movimentos políticos mais conservadores ganhando força na Europa e, principalmente, nos Estados Unidos. Para ele, o processo que está acontecendo no Brasil é um sinal de maturidade política.

Aqui no Brasil, com a radicalização da luta política, os conservadores resolveram se apresentar. Acontecia uma coisa muito estranha aqui: ninguém era de direita. Em países como Portugal e Chile, de maior tradição política, você tem políticos de direita que não têm vergonha de ser de direita. Aqui sempre foi um tabu — diz Fernando Sá.

Já para o cientista político Marco Antonio Teixeira, da FGVSP, independentemente do mérito, o debate é um avanço:

Para um momento em que carecemos de debate de projetos, é interessante isso. Eu vi o programa do Livres na TV, foi uma chamada fora do lugar comum. Em vez de ficar exaltando pessoas, foram lá discutir o que pensam. Concorde ou não, o debate de ideias é sempre bem-vindo e faz bem para a política.

Conteudo originalmente postado no Portal :

Deixe uma resposta