Noticias

Impopular, PMDB atrai nomes com promessa de fundo e tempo de TV, diz a Folha

O PMDB vem passando por um processo de engorda para as eleições de 2018 apesar dos altos índices de impopularidade do presidente Michel Temer e de ser um dos principais alvos da Lava Jato.

Com as maiores bancadas da Câmara (61 deputados) e do Senado (23 senadores), o partido tem como atrativos dois pontos importantes para o ano que vem: grandes fundo partidário e tempo de TV.

Além disso, se a Câmara e o Senado aprovarem nesta semana a proposta de reforma política do deputado Vicente Cândido (PT-SP), o PMDB terá a maior parcela do fundo eleitoral, cerca de R$ 275 milhões, para financiar as campanhas.

Dirigentes do partido não falam em números, mas, a um ano da disputa, as negociações se intensificam.

A maioria das mudanças de legenda ocorrerá somente em março, quando fica aberta a janela eleitoral para troca de partidos.

A disputa por nomes da ala governista do PSB com o DEM é apenas a frente mais visível da atuação peemedebista.

O partido de Temer já venceu a primeira batalha e levou o senador Fernando Bezerra Coelho, antes filiado ao PSB de Pernambuco.

O anúncio da mudança gerou atrito entre aliados de Temer e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que acusou o presidente nacional do PMDB, Romero Jucá, e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) de atuarem para enfraquecer o DEM.

A ida do senador leva ao partido também três deputados estaduais, três federais e alguns prefeitos.

A conta inclui seus dois filhos que estão na política, o prefeito de Petrolina (PE), Miguel Coelho, e o ministro Fernando Filho (Minas e Energia), que deve disputar o governo de Pernambuco.

Outro que está em negociação avançada com o PMDB é o líder do governo no Congresso, o deputado André Moura (PSC), que deve ficar com o comando do partido em Sergipe e disputar o Senado no ano que vem.

Na última semana, surgiu a especulação de que o ministro tucano Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) pode disputar o Senado pela sigla, assumindo o comando do PMDB na Bahia, antes nas mãos de Geddel Vieira Lima, preso depois que a Polícia Federal apreendeu R$ 51 milhões em um apartamento.

Irmão de Geddel, o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) não fala sobre o assunto.

Imbassahy nega haver qualquer tipo de negociação.

Uma liderança do partido afirma que este não é o momento para se fazer qualquer movimento na Bahia.

ESTADOS

Peemedebistas dizem que Jucá espera fazer oito governadores nas eleições do ano que vem, um a mais que a legenda tem hoje –Alagoas, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Sergipe e Tocantins.

Correligionários de Jucá estimam que o partido terá algo em torno de 15 candidatos.

Veem possibilidades de candidaturas em Pernambuco, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Norte, Maranhão, Amazonas e Pará.

Deixe uma resposta