Noticias

Candidatura de Doria em 2018 ganha força no PSDB é a manchete da Folha

Candidatura de Doria ao Planalto ganha força como ‘plano B’ de aecistas

A possibilidade de o PSDB lançar a candidatura de João Doria à Presidência em 2018 ganha terreno na cúpula do partido, inclusive na ala ligada ao senador Aécio Neves, outro nome posto para a disputa do ano que vem.

Dirigentes da sigla – entre eles, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso – trabalham com a hipótese de Doria como uma espécie de plano B para a corrida presidencial, caso sejam confirmados o conteúdo de depoimentos de ex-executivos da Odebrecht e seus impactos devastadores para o tucanato.

Segundo um amigo de FHC, o ex-presidente está “atento a Doria”, assim como aliados do senador mineiro. Tucanos ligados a Aécio já procuraram o prefeito para a pavimentação de pontes.

O ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy (BA), por exemplo, viajou a São Paulo no dia 17 de março para um almoço particular com o prefeito paulistano.

Interlocutores de Aécio sustentam que o mineiro não desistiu de sua candidatura ao Planalto, mas reconhece que suas chances hoje são mais remotas, principalmente se os desdobramentos da Operação Lava Jato persistirem até o ano que vem.

Um parlamentar tucano muito próximo do senador faz o seguinte raciocínio: caso o potencial explosivo dos depoimentos da Odebrecht se confirme, o partido precisará de uma “cara nova” na disputa. Nesse cenário, Doria fica em situação confortável.

Nas palavras de outro congressista aliado do senador mineiro, “crescem a cada dia” as chances de o PSDB lançar Doria candidato.

Um terceiro tucano, também com influência sobre Aécio, diz que a candidatura Doria é hoje vista pelo grupo como algo “factível” – daí a necessidade de tratá-lo como interlocutor privilegiado.

Ressaltando que é cedo, o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC), afirma que “Doria avançará mais”. Ele trata o prefeito paulistano como “a grande revelação da política brasileira”.

“A vitória e o estilo dele chamam a atenção. Colocam seu nome num patamar mais elevado dentro do partido e da sociedade”, sustenta.

Doria vem negando intenções de concorrer ao Planalto –costuma repetir que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, seu padrinho político, é seu candidato para 2018.

ALTERNATIVA

Resistente à ideia, até um mês atrás, o próprio Aécio tem dado sinais de simpatia à candidatura do prefeito caso a sua não se viabilize.

Nesta hipótese, não estaria descartada a composição de uma chapa puro-sangue, com o senador Antonio Anastasia (MG) na vice de Doria. Aécio surgiria, então, como fiador dessa aliança.

Ao grupo do mineiro interessa fortalecer o prefeito em uma disputa pela candidatura com Alckmin.

Dessa forma, o grupo evitaria um alijamento do poder caso o prefeito se torne mesmo o candidato do partido.

Também entre aliados do senador José Serra (SP) o nome de Doria desponta como favorito em um cenário em que as candidaturas dele e de Aécio fiquem inviabilizadas.

FATOR LULA

Na avaliação da cúpula do PSDB, a candidatura de Doria ganhará força se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva for o nome do PT.

Doria, acreditam os tucanos, seria o único capaz de derrotar o petista. E teria mais força para fazer frente a candidaturas que fogem do político tradicional, como a de Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Em favor de Doria, a cúpula do PSDB avalia ainda que, por ser iniciante, seu nome não estará desgastado até 2018. Como não disputou eleições em um período em que as doações de empresas eram permitidas, tampouco estaria “contaminado” por práticas como o caixa dois.

Toda essa costura depende, no entanto, de delicada articulação. Tucanos lembram que a chapa pura afugenta potenciais aliados e pode contrariar o PMDB. E que a manobra exige estratégia de comunicação para evitar a imagem de que Doria estaria traindo Alckmim.

Aliados de Doria também reconhecem que ele só manterá suas chances de entrar em uma disputa em 2018 – qualquer que seja ela – caso sua administração apresente resultados concretos em pouco tempo. E tratam com cautela a possibilidade de que uma renúncia ao mandato seja malvista pelo eleitorado.

Prefeito presidente é a ‘melhor coisa’, diz empresário

O empresário Flávio Rocha, presidente da Riachuelo, a segunda maior rede de moda do país, acha que a candidatura de João Doria a presidente em 2018 é “muito plausível” e “a melhor coisa que poderia acontecer para o Brasil”.

“Eu apoiaria totalmente”, afirma ele.

“O fenômeno João Doria está deflagrando uma mudança muito grande. Ele está estimulando gente que achava que era tudo só roubalheira e elevou a política. Tirou ela do plano menor do interesse individual e colocou no plano maior do propósito”, diz.

Rocha afirma que Doria “é o produto mais vendável para o momento. Não é à toa que o Ciro Gomes está preocupado. Viajo o Brasil e o que eu mais ouço é ‘que pena que não tem um Doria na minha cidade’.”

O presidente da Riachuelo afirma que, “sem dúvida”, cresce a simpatia, entre empresários, por uma candidatura de Doria.

“Diferentemente de outras disputas, que se deram na cúpula dos partidos, dessa vez a candidatura está surgindo de fora para dentro. O interesse está gerando uma pressão de fora, da opinião pública, sobre o universo político.”

Interrompido por militante, Doria, exaltado, reage: ‘Golpista é quem rouba o povo’

Vai procurar a sua turma lá em Curitiba”.

Foi assim que o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), respondeu a um rapaz que interrompeu seu discurso para exaltar a ex-presidente Dilma Rousseff durante cerimônia de entrega de casas populares na zona sul da capital, na manhã desta quarta (29).

Doria dizia que estava entregando as chaves das casas novas às mulheres das famílias contempladas. “A força da mulher ninguém segura”,  afirmou. Em seguida, foi interrompido por um rapaz que gritou: “Força da Dilma para fazer as casas”.

O prefeito reagiu de imediato e de maneira exaltada. “Olha aqui, vou aproveitar para dizer para você, que veio aqui tentar estragar a festa dessas famílias, que elas não estão de acordo com você”, iniciou, com dedo em riste. “Golpista é quem rouba dinheiro público, golpista é quem rouba o povo”, continuou Doria.

Vai embora procurar sua turma. Vai procurar sua turma lá em Curitiba”, gritou o prefeito. Ele, em seguida, disse que o povo “sabe quem é honesto e é decente” e encerrou pedindo uma “salva de palmas para o Brasil”.

Doria rebateu o apoiador de Dilma de cima do palanque, observado por seu padrinho político, o governador Geraldo Alckmin, que não esconde sua pretensão de disputar a Presidência em 2018. Ele assistiu impassível à performance do prefeito, que se transformou na principal ameaça aos seus planos.

Diversas alas do PSDB encaram o prefeito como a melhor opção do partido para a próxima eleição ao Planalto.

Deixe uma resposta