Reforma da Previdência

Alckmin defende que tucanos votem a favor da reforma da Previdência, diz a Folha

Após assumir a presidência do PSDB, o governador Geraldo Alckmin (SP) adotou discurso mais enfático em apoio à agenda econômica do governo Michel Temer e defendeu que deputados tucanos sejam obrigados a apoiar a reforma da Previdência.

“Minha posição pessoal é pelo fechamento de questão [determinação do partido para que todos os deputados votem de uma mesma forma sob pena de punição]”, disse em entrevista após a convenção.

“Mas essa não é uma decisão só da Executiva, é também da bancada, pelo estatuto. O caminho agora é o do convencimento”, afirmou o governador. Ele prometeu marcar reunião com parlamentares tucanos sobre a questão na semana que vem.

Em seu discurso, instantes antes, Alckmin havia endossado a pauta das reformas do Estado, em uma tentativa de vincular o PSDB a essa agenda, e responsabilizou o PT pela recessão dos últimos anos.

“Temos compromisso com as reformas que vão dar condições para o Brasil voltar a crescer. Sabemos como chegar lá, acreditamos em políticas públicas perenes, e não em bravatas de marketing.”

O tucano disse que o partido “reitera sua disposição no âmbito do Congresso à aprovação de reformas necessárias ao nosso país” e apontou que a reestruturação da Previdência visa a combater privilégios. “É necessária para não termos brasileiros de duas classes”, discursou.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em seu discurso, foi na mesma linha. “A Previdência está insustentável. Nós temos que votar a reforma da Previdência, mas não podemos fechar os olhos e ceder às corporações. As corporações são inimigas do povo brasileiro”, afirmou.

TEMER

Ao se posicionar ao lado do Palácio do Planalto na agenda econômica, Alckmin faz frente ao ministro Henrique Meirelles (Fazenda), que trabalha para se viabilizar como o candidato do governo à Presidência em 2018 e chegou a dizer, em entrevista à Folha, que o tucano não seria o candidato do governo.

O entorno do presidente Michel Temer (PMDB) se incomodou com o tucano, que diversas vezes, disse que, se dependesse dele, o PSDB nunca teria embarcado na administração federal.

Dois dos quatro ministros tucanos deixaram a Esplanada antes da convenção, mas não evitaram a deterioração da relação do governo com o PSDB. O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), inclusive, disse que o PSDB não era mais da base, antes de qualquer anúncio oficial tucano.

Os acenos de Alckmin de que se empenhará para garantir votos do PSDB para aprovar a reforma da Previdência responde inclusive a uma ala do próprio partido, que trabalha pela aproximação com o PMDB de Temer.

LIBERAL

Em seu discurso, Alckmin fez uma fala liberal favorável ao enxugamento do tamanho do Estado. “Já passou da hora de tirar o peso desse Estado ineficiente das costas dos trabalhadores e empreendedores brasileiros”, declarou.

“O PSDB é um instrumento da modernização do Brasil, o Brasil desburocratizado” afirmou. “Vamos perseguir a inovação de forma obsessiva.” O tucano também se disse a favor de privatizações, das concessões e das PPPs (parcerias público-privadas).

Deixe uma resposta