PSDB

FHC sugere que Alckmin assuma presidência do PSDB, diz a Folha

No dia seguinte à destituição do senador Tasso Jereissati (CE) da presidência interina do PSDB, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sugeriu que o governador paulista, Geraldo Alckmin, assuma o comando do partido, em “posição central”.

Em texto publicado em uma rede social nesta sexta-feira (10), FHC afirmou que, “se porventura tal convergência não se concretizar, o que porá em risco as chances do PSDB, já disse que apoiarei a candidatura de Tasso à presidência do partido”.

Indagado pela reportagem se é favorável a que Alckmin seja presidente do PSDB, FHC não respondeu. Ele viajou para os EUA nesta sexta.

Os nomes de Alckmin, favorito entre tucanos para disputar o Palácio do Planalto, e do próprio FHC são lembrados como alternativas, em tese pacificadoras, à disputa entre Tasso e o governador de Goiás, Marconi Perillo, pela presidência do PSDB.

Para um dos principais aliados do governador paulista, o deputado federal Silvio Torres (PSDB-SP), FHC se referia à tentativa de Alckmin de fazer um mandato casado entre Tasso e Perillo, com um ano de presidência para cada. “O que o Geraldo já está fazendo ‘por fora’, ele passaria a fazer formalmente'”, afirmou Torres.

O senador cearense aceitou a proposta e a sugeriu ao governador goiano, que, no entanto, não aceitou.

Alckmin e Fernando Henrique se encontraram na quinta (9), depois do anúncio feito pelo senador Aécio Neves (MG) da substituição de Tasso pelo ex-governador de São Paulo Alberto Goldman.

Em sua publicação, FHC reconheceu “o acirramento que causou nas tensões do PSDB” a troca de comando.

“O restabelecimento da coesão, com tolerância à variabilidade das opiniões internas, mas também com firmeza de propósitos, requer que Alberto Goldman crie condições para que líderes experientes e respeitados, como Alckmin, assumam posição central no partido”, escreveu.

O ex-presidente, então, elogiou Perillo. “Não faço ressalvas ao direito do governador de Goiás, a quem respeito por sua fidelidade ao PSDB e pelo bom governo que faz, de ser eventualmente candidato”, afirmou, antes de fazer um apelo por unidade. “A vitória de um ou de outro não corresponde à vitória do bem contra o mal: precisamos permanecer juntos.”

FHC ponderou que “a coesão é requisito para enfrentarmos a próxima campanha, propondo as transformações pelas quais o país clama”.

“Para termos vez e voz na definição dos rumos do Brasil nas eleições de 2018, é preciso dar sinais claros de nossa própria mudança, criando canais mais amplos para participação dos filiados na escolha dos candidatos e modificando os estatutos para dar mais transparência e responsabilidade às decisões da Executiva do partido e definir regras que permitam a adoção de consulta direta aos filiados nas eleições posteriores a 2018”, argumentou.

Dias depois da publicação de artigo em que defendeu o desembarque do PSDB do governo Michel Temer (PMDB), Fernando Henrique reforçou que “o apoio às reformas em curso no Congresso faz parte do que acreditamos e do que pregamos. Dentro ou fora do atual governo, este é um compromisso do PSDB”.

“Na próxima campanha, tudo que pareça afastar-se das boas normas de conduta política será condenado, mormente no caso de um partido que se pretende transformador. Estamos jogando o futuro, não apenas os próximos meses”, observou.

A exposição de Fernando Henrique converge com a defesa de Tasso pela reformulação do estatuto tucano. O senador cearense é crítico do governo Temer e, junto dos “cabeças pretas” e parte das bancadas tucanas no Congresso, pressiona pela saída dos quatro ministros tucanos da administração federal.

Perillo, por sua vez, tem o apoio de Aécio, que trabalha com os ministros pela relação do PSDB com o PMDB e Temer. Com agenda de governador, o goiano foi a Porto Alegre e Curitiba na sexta e aproveitou para falar com tucanos locais que votarão na convenção do PSDB, além do colega Beto Richa (PR).

Membros da direção partidária aprovaram o movimento de destituição de Tasso e fizeram críticas ao protagonismo que o debate sobre ficar ou não no governo Temer tomou dentro do PSDB.

“No fundo, esse pessoal que quer sair só quer um pretexto para não votar as reformas, para ser contra as reformas. Ficar ou sair do governo é irrelevante, o que o partido precisa fazer é assumir o protagonismo nas reformas”, disse José Aníbal, que preside o Instituto Teotônio Vilela, da sigla.

Ele não quis nomear seus alvos, mas eles se encontram na órbita dos “cabeças pretas”, a ala jovem do partido que apoia Tasso. O ruído fica por conta da divergência com FHC, com quem usualmente está alinhado.

COMISSÃO ELEITORAL

Como primeiro ato após assumir, Goldman criou uma comissão eleitoral com o objetivo de garantir a isonomia da campanha pela presidência do partido. Na terça (14) haverá a primeira reunião.

Além dele próprio e de Torres, que é secretário-geral, participará João Almeida (BA). Tasso indicou o senador Cássio Cunha Lima e o deputado João Gualberto. Perillo nomeou como representantes o deputado Giuseppe Vecci e Cyro Miranda, senador fora de exercício.

Deixe uma resposta