Lula

Proliferação de centristas para 2018 pode favorecer Lula ou Bolsonaro, diz a Folha

A pulverização de nomes na centro-direita para a eleição de 2018 preocupa agentes políticos e econômicos.

O cenário nebuloso acabou criando uma espécie de “centro expandido”, com Geraldo Alckmin (PSDB), João Doria (PSDB), Henrique Meirelles (PSD) e figuras alternativas como Luciano Huck se acotovelando nas especulações.

Além deles, nomes de baixa densidade partidária devem engrossar o pelotão, como Alvaro Dias (PV) e João Amoêdo (Partido Novo).

Mais à esquerda, há Marina Silva (Rede), que enfrenta ceticismo dos apoiadores, mas pode capturar algum naco do eleitorado mais centrista.

“Isso é agora. Haverá uma decantação do processo”, avalia o sociólogo Antonio Lavareda, um dos mais experientes analistas políticos do Brasil, tendo aconselhado mais de 90 campanhas.

O cenário atual decorre de dois fatores. Primeiro, a cristalização nas pesquisas dos extremos do eleitorado nas figuras de Lula (PT, à esquerda) e Jair Bolsonaro (PSC, à direita).

Segundo, até pela viabilidade dúbia desses dois nomes, perspectiva de poder sem que haja um nome francamente favorito.

“É imperativo para a centro-direita uma coordenação prévia”, diz Rafael Cortez, da consultoria Tendências.

Foi isso o que propôs Doria, ao defender uma frente de partidos de centro. Outra parte da equação do tucano é manter-se no jogo após um mês de más notícias que desidrataram sua postulação.

No raciocínio exposto por Doria em evento com empresários no Rio na terça (31), é preciso uma união das siglas ao centro contra a força dos extremos Lula e Bolsonaro.

Esse é o arco que hoje sustenta Michel Temer, significativamente com o PMDB no papel de apoiador sem nome viável, além da variável da impopularidade recorde do presidente. DEM, PPS, PP, PTB e outros compõem o quadro.

Há pontos diversos a considerar. Se é verdade que Lula poderá ser impedido de concorrer caso seja mesmo condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro, como o próprio PT acredita, ele poderá usar isso como trunfo.

“Lula iria se afirmar vítima e poderia repetir Roriz em 2010, só que com um nome até mais competitivo”, diz Cortez. Naquele ano, Joaquim Roriz teve a candidatura ao governo do Distrito Federal impugnada e lançou a mulher, a neófita Weslian, às vésperas do pleito. Ela foi ao segundo turno e perdeu.

Concorda Richard Back, da XP Investimentos. “Lula pode ir até quase o fim e lançar seu preposto, só que seria um nome como o do [ex-prefeito de SP] Fernando Haddad”, diz.

Já Bolsonaro é visto como alguém que deve se desidratar quando a campanha começar de fato, por sua baixa capilaridade em tempo de TV e apoios estaduais.

FUNIL

O fator “novo” é representado por Luciano Huck no grupo, já que ele pontua na casa dos 5% de largada. Se o impulso antiestablishment hoje com Bolsonaro é unanimidade na análise de políticos e consultorias, há dúvidas sobre a viabilidade de Huck por inexperiência total.

Lavareda vê mais chance de o apresentador, se de fato se filiar a algum partido, integrar uma chapa como vice “para vitalizar uma candidatura mais tradicional”. “Esta é uma eleição aberta, que tende à fragmentação. As condições de formar alianças vão gerar uma candidatura mais competitiva à frente”, crê.

Para ele, Lula não será candidato e o funil do centro hoje favorece Alckmin. “Havia uma expectativa sobre o Doria, mas perdeu plausibilidade. E não acho que [o ministro da Fazenda] Meirelles será candidato, mesmo com melhora na economia.”

Na semana passada, Meirelles admitiu à revista “Veja” que cogita concorrer.

Ricardo Sennes, da Prospectiva, vai na mesma linha. “Lula e Bolsonaro estão em campanha. Tempo de TV e Fundo Partidário, aliados a campanhas estaduais fortes, são centrais. Mas é preciso haver união nesse campo centrista, senão haverá um desastre na ótica dos mercados.”

Sennes também vê Alckmin com alguma vantagem. “Ele não será um reformador radical. Propostas muito liberais como as de Doria ou do Partido Novo não têm uma avenida a percorrer no Brasil, têm uma ruela”, diz.

Deixe uma resposta