Lava Jato

Delatora diz que pagou R$ 200 mil à ‘Dilma Bolada’ a pedido da petista é o título de matéria na Folha

Delatora da Operação Lava Jato, Mônica Moura disse que pagou R$ 200 mil com dinheiro de caixa 2 ao publicitário Jefferson Monteiro, criador da personagem “Dilma Bolada”, a pedido da ex-presidente Dilma Rousseff.

Moura afirmou que durante a campanha de 2014 recebeu a orientação para que pagasse Monteiro para ele reativar a página no Facebook e fazer postagens favoráveis ao governo federal.

De acordo com Moura, mais de 1,4 milhão de pessoas seguiam a “Dilma Bolada”, o que era uma vitrine na campanha. Porém, no dia 23 de julho, no meio da campanha à reeleição, Monteiro retirou a página do ar, relatou. Isso deixou Dilma “furiosa”, segundo a colaboradora.

Ela contou ter sido procurada pelo então ministro Edinho Silva (PT), atual prefeito de Araraquara (SP).

Segundo Moura, Edinho lhe disse que esse tema “teria que ser imediatamente resolvido pela Polis” – a agência que ela tem como o marido, João Santana –, “pois eles não tinham outro meio de sanar o problema com a urgência necessária”.

A publicitária afirmou que ligou para Monteiro e combinou que um funcionário “o procuraria para resolver o assunto”. O dinheiro foi entregue em espécie no dia 29 de julho, narrou a colaboradora.

“Na ocasião, Mônica comentou com Edinho que estava fazendo isso como um ato de boa vontade pois o contrato da Polis não previa este tipo de responsabilidade”, informa documento que consta da colaboração premiada de Moura.

Documento enviado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) ao STF (Supremo Tribunal Federal) informa que a campanha de Dilma pediu, no total, R$ 400 mil. Os outros R$ 200 mil foram pagos pela marqueteira Daniele Fonteles, da agência Pepper, que trabalhava com o marketing da campanha nas mídias sociais, segundo Mônica Moura.

A delação foi homologada no dia 4 de abril pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), e se tornou pública nesta quinta (11).

Moura também contou que arcou com os custos de camareira e cabelereira de Dilma mesmo depois do fim da campanha presidencial de 2010.

Ela afirmou ter combinado com Anderson Dornelles, assessor de Dilma, pagar R$ 4 mil por mês durante um ano, em espécie, “para esta cabeleireira particular como forma de favor”.

Segundo ela, outro hábito pessoal de Dilma foi financiado pelos marqueteiros: o trabalho do cabelereiro Celso Kamura.

Depois da campanha de 2010, quando já tinha sido eleita, Dilma queria manter os serviços para ocasiões importantes, informou a marqueteira. No entanto, o Palácio do Planalto “não poderia arcar com valor tão alto para o cabeleireiro, não tinha rubrica e nem tempo para superar a burocracia”, disse.

Assim, Dornelles procurou Moura e pediu que ela fizesse mais esse favor, afirmou a delatora.

“Mônica Moura então pagou o cabeleireiro diversas vezes, durante os anos de 2010 a 2014, de várias formas: na maioria das vezes em dinheiro entregue em espécie no escritório do cabelereiro em SP, por um funcionário, utilizando os valores recebidos por fora; em outras vezes reembolsava a assessora da presidente, Marly, através de depósitos bancários”, informa o documento.

Os custos estimados com Kamura são entre R$ 40 mil e R$ 50 mil; cada diária do cabelereiro, incluindo deslocamento, cabelo e maquiagem no Palácio da Alvorada custava em torno de R$1.500 e R$ 2.000, conforme consta no material do Supremo.

“Esses favores eram prestados por se tratar de uma cortesia a uma cliente importante para João Santana e Mônica Moura. Dilma Rousseff, além de presidente, já havia feito com eles a campanha de 2010 e existia a possibilidade de virem a fazer a campanha de 2014”, afirmou Mônica Moura.

OUTRO LADO

A reportagem entrou em contato com Jeferson Monteiro. Ao telefone, ele disse que se manifestou na página de Dilma Bolada no Facebook. O post mais recente informa: “Pelos meus cálculos, eu já teria que ter, no mínimo, R$1,7 milhão de reais na conta: R$500 mil segundo a Revista Época, R$1 milhão segundo Marcelo Odebrecht e agora mais R$200 mil segundo Mônica Moura. Alguém, por gentileza, me avisa onde que tenho que retirar a quantia porque estou com o aluguel atrasado e o telefone cortado. Obrigado!”

Dilma Rousseff por meio de seus assessores divulgou nota na qual diz que João Santana e Mônica Moura “prestaram falso testemunho e faltaram com a verdade em seus depoimentos, provavelmente pressionados pelas ameaças dos investigadores”. A ex-presidente diz ainda que o fim do sigilo das delações prejudicou sua defesa na ação que tramita no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Leia a íntegra da nota de Dilma:

“Sobre os depoimentos sigilosos de João Santana e Mônica Moura, liberados na tarde desta quinta-feira, 11 de maio, a Assessoria de Imprensa de Dilma Rousseff destaca:

1. Infelizmente, chega tarde a decisão do relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin, suspendendo o sigilo dos depoimentos de João Santana e Mônica Moura.

2. Há semanas, a defesa da presidenta eleita Dilma Rousseff havia feito tal pedido ao Tribunal Superior Eleitoral, a fim de apresentar suas alegações finais ao relator do caso das contas de campanha, ministro Herman Benjamin.

3. A defesa foi prejudicada pela negativa do relator. Não foi possível cotejar os depoimentos prestados pelo casal à Justiça Eleitoral e na Lava Jato.

4. As contradições e falsos testemunhos foram vislumbrados, apesar disso, pelo que foi divulgado amplamente pela imprensa, na velha estratégia do vazamento seletivo dos depoimentos uma rotina nos últimos tempos.

5. Agora mesmo, os depoimentos são entregues à imprensa, mas não repassados oficialmente à defesa da presidente eleita.

6. Dilma Rousseff, contudo, reitera o que apontou antes: João Santana e Mônica Moura prestaram falso testemunho e faltaram com a verdade em seus depoimentos, provavelmente pressionados pelas ameaças dos investigadores.

7. Apesar de tudo, a presidente eleita acredita na Justiça e sabe que a verdade virá à tona e será restabelecida.”

Deixe um Comentario