Lava Jato

Campanha de Lula teve dinheiro pago em caixas de sapato, diz delatora é o título de matéria na Folha

A mulher do marqueteiro João Santana, Mônica Moura, contou em seu acordo de delação premiada que recebeu cerca de R$ 5 milhões em espécie em caixas de sapato e de roupas em uma loja de chá do Shopping Iguatemi, em São Paulo.

Os pagamentos, segundo ela, eram referentes aos serviços prestados por Santana à campanha de reeleição do ex-presidente Lula, em 2006, e se estenderam pelo ano eleitoral e também por 2007. O teor da delação foi tornado público nesta quinta (11) pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal).

As entregas, segundo a delatora, foram operacionalizadas pelo ex-ministro Antonio Palocci e feitas por Juscelino Dourado, ex-chefe de gabinete do petista.

Mônica contou que os repasses ocorriam na casa de chá Tee Gschwendner, no Shopping Iguatemi e que viajava para São Paulo especialmente para pegar o montante.

“Dourado entregava sacolas com valores em dinheiro acondicionados em caixas de roupas, de sapatos, etc. Foram pagos desta maneira, de forma parcelada, cerca de R$ 5 milhões”, diz o anexo que contém o relato de Mônica.

O dinheiro fazia parte dos cerca de R$ 10 milhões pagos por fora a Santana. Os outros R$ 5 milhões repassados de maneira ilícita, segundo Mônica, foram pagos pela Odebrecht na conta da offshore Shellbill também entre 2006 e 2007.

A mulher de Santana contou que, ao todo, foram pagos aproximadamente R$ 24 milhões ao casal, incluindo a parte que foi declarada.

FLAT PARA RECEBER DINHEIRO

Já na campanha de Marta Suplicy, na época filiada ao PT, para a prefeitura de São Paulo em 2008, Mônica contou que alugou um flat em Pinheiros, na capital paulista, somente para receber dinheiro em espécie.

“Saliente-se que o flat foi alugado apenas para receber os valores pagos de forma não oficial, diante da expressiva quantia paga em dinheiro. O aluguel durou três meses”, diz o anexo da delação de Mônica.

Também houve entregas em dinheiro em locais públicos, segundo Mônica.

Ela relata que a campanha de Marta custou em torno de R$ 18 milhões, sendo que R$ 7,6 milhões foram pegos oficialmente.

OUTRO LADO

Procurada, a defesa de Lula disse desconhecer as declarações de Mônica Moura e que, ” como foram prestadas em uma delação, elas nada provam”.

“Delações são negociações que o Ministério Público Federal faz com pessoas que confessam a pratica de crimes e desejam sair da prisão ou obter outros benefícios”, diz a nota enviada pelo advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins.

Ele afirmou que a imprensa tem denunciado que a Força-Tarefa da Lava Jato passou a exigir referências a Lula como condição para aceitar delações. “O assunto foi oficialmente levado ao Procurador-Geral da República para que seja investigado com isenção, mas até o momento desconhecemos qualquer providência nesse sentido.”

Procurada, Marta disse estar “indignada”.

“É uma mentira deslavada”, respondeu a senadora, em nota enviada à imprensa. “[É] certamente motivada para envolver o maior número de pessoas com um único objetivo: ter o que barganhar para obter impunidade nos crimes em que são acusados. Jamais participei ou tive conhecimento de negociações ilegais. Minha conduta sempre foi e está baseada nos princípios éticos que norteiam toda a minha vida.”

Advogado de Palocci, José Roberto Batocchio disse que a declaração de João Santana tem de ser recebida com “extrema reserva” porque é “fruto de uma compulsão psicológica”.

“As pessoas têm sido encarceradas e submetidas a pressão psicológica de tal forma que para obter a liberdade tenham de fazer essas declarações.”

Batocchio disse também que que seria “temerário fazer um pronunciamento assertivo” sem conhecer em minúcias o conteúdo da declaração.

“Não se conhece com precisão o exato teor dessa suposta delação. Independentemente disso, é certo que nessas ‘delações à la carte’ o cardápio que se apresenta para se oferecer liberdade é sempre o nome do ex-presidente e daquele que foi o principal ministro da economia do nosso país. É o preço que está sendo cobrado pela liberdade impune.”

Deixe um Comentario