Governo

Geddel discutiu anistia ao caixa dois com JBS, diz empresa é o título de nota na Monica Bergamo

Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) será personagem principal de um dos anexos que executivos da JBS começam a entregar nesta semana à PGR (Procuradoria Geral da República) como complementação de seu acordo de delação premiada. O ex-ministro teria discutido com a empresa um projeto de anistia ao caixa dois.

TAREFA

O diretor jurídico da empresa, Francisco de Assis e Silva, diz no anexo que esteve várias vezes com Geddel em Brasília e chegou a entregar a ele o rascunho de um projeto de lei prevendo a anistia, o que livraria vários políticos de punição. Pelo texto, o caixa dois seria tratado como os crimes tributários -que, ao serem confessados, deixam de ser penalizados.

TAREFA 2

No ano passado, Geddel foi um dos primeiros políticos a vir a público defender abertamente a anistia ao caixa dois. Ele ainda era ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer. O peemedebista, no entanto, sempre negou ter a intenção de querer “melar” a Lava Jato.

Tribunal mantém bloqueio de bens do ex-presidente Lula, diz a Folha

O Tribunal Regional Federal em Porto Alegre manteve, nesta terça (25), o bloqueio de bens do ex-presidente Lula, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP).

A medida, que já sequestrou quase R$ 10 milhões em planos de previdência e contas bancárias de Lula, além de apartamentos e veículos do ex-presidente, foi determinada pelo juiz Sergio Moro, responsável pela sentença que condenou o petista.

A defesa de Lula havia entrado com um mandado de segurança no TRF, argumentando que os bens bloqueados têm origem lícita e que a medida prejudicava a subsistência de Lula e de sua família, “e até mesmo as condições de custeio dos atos necessários para o exercício da garantia constitucional da ampla defesa”.

“[O bloqueio] tem por objetivo causar asfixia econômico-financeira e baseada única e exclusivamente na inaceitável cogitação de que haveria a dilapidação de patrimônio por parte do Impetrante [Lula], a fim de furtar-se da aplicação da lei penal. Hipótese, registre-se, que jamais se concretizou”, escreveram os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Martins.

Em decisão emitida no final da tarde, o juiz federal João Pedro Gebran Neto entendeu que não havia urgência no pedido da defesa. Para ele, o argumento de que os bloqueios prejudicavam a subsistência da família é “uma alegação genérica”.

O juiz chegou a afirmar que, como ex-presidente, Lula tem direito a um auxílio em decorrência da ocupação do cargo. A Constituição de 1988, porém, revogou a aposentadoria para ex-presidentes.

Atualmente, os antigos mandatários têm direito a dois veículos oficiais com motoristas pagos pela Presidência da República, além de quatro seguranças e dois assessores pessoais.

O recurso da defesa ainda deve ser julgado pelos demais integrantes da 8ª Turma do TRF4.

Deixe uma resposta