Eleições 2018

Aliados ameaçam trair tucanos caso Alckmin seja o escolhido para 2018, diz a Folha

Os principais aliados do PSDB para a corrida presidencial de 2018 ameaçam retirar o apoio à sigla e lançar seus próprios candidatos ao Palácio do Planalto caso os tucanos escolham o governador paulista, Geraldo Alckmin, para a disputa.

O movimento, deflagrado por partidos como PMDB e DEM, é uma tentativa de aumentar a pressão sobre o PSDB para que o prefeito João Doria desbanque seu padrinho político e concorra à Presidência no ano que vem.

Dirigentes dessas legendas e auxiliares do presidente Michel Temer consideram Alckmin um candidato “fraco” para a disputa de 2018, que deve ser marcada pela rejeição à política tradicional. Eles apontam Doria como o único tucano com chances de vitória nesse cenário.

Caciques do PMDB e do DEM transmitiram esse diagnóstico à cúpula tucana. O PSDB recebeu com ceticismo a possibilidade de rompimento, mas parte dos dirigentes da sigla já concorda com essa avaliação e trabalha internamente para que o prefeito seja o candidato do partido.

Peemedebistas e democratas decidiram intensificar a campanha pró-Doria ao observar, nas últimas semanas, o acirramento das tensões entre o prefeito e o governador, além dos movimentos de Alckmin para consolidar seu nome dentro do partido.

Em conversas reservadas, integrantes do PMDB se dizem dispostos a abandonar uma potencial aliança para a sucessão de Temer caso os tucanos insistam na candidatura de Alckmin. A ameaça de lançar um nome próprio na corrida presidencial, entretanto, é mais um tiro de advertência do que um projeto eleitoral concreto.

Abalado por acusações de corrupção e à frente de um governo extremamente impopular, o PMDB sofre com a falta de quadros para a empreitada.

Dirigentes do partido, contudo, afirmam que buscarão nomes de dentro e de fora das trincheiras peemedebistas. São citados o senador José Serra (PSDB-SP), o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) e até o próprio Doria, caso ele decida romper com os tucanos.

O movimento dos peemedebistas tem o endosso do presidente da República, que já disse a aliados que são ínfimas as chances de levar o PMDB a apoiar o governador paulista.

Temer e seus ministros mais próximos ficaram furiosos com o empenho de Alckmin em angariar votos na Câmara a favor da denúncia da Procuradoria-Geral da República. Dos 12 deputados da bancada paulista do PSDB, tradicionalmente alinhada ao governador, 11 votaram pelo prosseguimento do processo.

Com esses movimentos, o PMDB tenta ganhar peso na escolha do candidato presidencial da chapa que deve ser encabeçada pelos tucanos. Dirigentes partidários insistem que não pretendem interferir nas decisões internas do PSDB, mas dão sinais claros em público.

“A escolha do candidato do nosso campo será feita coletivamente. Tem que ser alguém com capacidade de ganhar a eleição”, disse à Folha Romero Jucá, presidente do PMDB.

DEMOCRATAS

O DEM também adota uma postura cautelosa, mas a cúpula da legenda está rachada em relação à disputa interna tucana. Parte dos dirigentes, entretanto, manifesta preferência incontida pelo nome de Doria.

Indiferentes ao nome de Alckmin, integrantes da sigla passaram a sondar nomes de fora da política, com perfil semelhante ao do prefeito paulistano, para embarcar em uma candidatura própria do partido ao Planalto.

Assim como entre os peemedebistas, o cálculo sobre a escolha do nome que representará essa aliança em 2018 reflete meramente a perspectiva de vitória.

Na avaliação de dirigentes do DEM, o governador paulista só tem chances de vitória se o ex-presidente Lula não puder disputar a eleição.

Nessa situação, o rol de candidaturas ficaria pulverizado e Alckmin, um nome conhecido, poderia chegar ao segundo turno.

Se Lula estiver no páreo, entretanto, Doria poderia encarnar o “novo” e teria um “discurso mais vibrante” que o de seu padrinho, com carisma suficiente para fazer frente ao petista entre eleitores de baixa renda e até no Nordeste, segundo alguns democratas.

A estratégia do prefeito paulistano para dobrar a cúpula do PSDB é centrada exatamente no fortalecimento de seu nome fora do partido, entre as siglas que poderiam dar suporte à candidatura tucana.

A ideia dos principais auxiliares de Doria é trabalhar de fora para dentro, conquistando a simpatia do mercado financeiro, do mundo político e do eleitorado para convencer os dirigentes de sua legenda a ungi-lo como postulante ao Planalto.

Deixe uma resposta