Eleições 2018

Aprendi com Alckmin que decisão de candidatura vem do povo, diz Doria é o título de matéria na Folha

Em conversa com jornalistas após seu discurso no “Global Positive Forum”, na tarde desta sexta-feira (1º) em Paris, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), reagiu às declarações de seu padrinho político, Geraldo Alckmin, de que quer ser um “presidente para o povo brasileiro”.

“Ele tem todo o direito não apenas de anunciar que vai disputar, como de disputar a Presidência da República, mas os tempos caminham e eu aprendi também com o Geraldo Alckmin e com o Fernando Henrique Cardoso que a melhor decisão referente a uma candidatura –principalmente a uma eleição– parte do povo”, afirmou o prefeito paulistano.

Doria afirmou também que continuará viajando durante o seu mandato porque se considera um “político global”. Suas viagens são vistas como uma estratégia para promover sua eventual candidatura ao Planalto.

“Viajo e continuarei a viajar. São Paulo é uma cidade global, eu sou um prefeito global… acabou o tempo do século 20, do século 19. Quem gosta de fazer política miúda, pequena, personalista é o PT. Eu prefiro fazer a política mais ampla, plural e que atende ao interesse da população de forma global”, afirmou.

O prefeito disse que não descarta a possibilidade de ser candidato à Presidência da República nas eleições de 2018. Ele destaca Emmanuel Macron, presidente da França, como um político “inspirador” em sua trajetória política.

INSPIRAÇÃO

“Ele é inspirador, sim, pela sua juventude, capacidade inovativa, por ele ter quebrado inclusive aqui [na França] os princípios históricos e vencido partidos políticos de décadas, construindo uma trajetória vitoriosa”, disse o prefeito tucano.

Mesmo sem constar na agenda oficial do presidente Macron, o paulistano disse que encontraria às 19h30 [14h30 no horário de Brasília] desta sexta o presidente francês em sua residência oficial, o Palácio Elysée.

Questionado sobre fundar ou mudar de partido para concorrer à Presidência, caso Geraldo Alckmin seja o candidato escolhido pelo PSDB, Doria disse apenas que não tem essa intenção. “Meu foco neste momento é administrar a cidade de São Paulo e fazer uma boa gestão”, desconversou.

Em seguida, o prefeito paulistano citou como outro “exemplo” o presidente da Argentina, Mauricio Macri. O tucano confirmou que encontrará Macri em 14 de setembro para uma conversa sobre política pública.

“Foi um grande prefeito em Buenos Aires, e tem feito uma boa gestão à frente da Argentina resgatando o orgulho dos argentinos e colocando a economia deste país vizinho nos trilhos”, afirmou.

Ele ainda falou de projetos de saúde, educação e empreendedorismo no seu governo e confirmou que o próximo “Global Positive Forum” acontecerá em novembro de 2019, no novo hotel Palácio Matarazzo, a ser inaugurado no mesmo ano, em São Paulo.

PROTESTO

Durante o fórum global em Paris, um pequeno grupo de brasileiros protestou contra o governo Temer e a ação das autoridades paulistanas na “cracolândia”. Ao ser abordado na saída do evento, o prefeito defendeu que a polícia não agiu com violência na retirada dos usuários de drogas das ruas de São Paulo.

Os manifestantes debateram dizendo que na França não aconteceria o mesmo. “Tudo aqui é esclarecido. Em Paris as coisas são diferentes”, respondeu em tom irônico o prefeito.

O tucano ainda apontou como “extemporâneo” o protesto contra o Temer, mas não defendeu o presidente. “Toda manifestação merece respeito”, concluiu.

 

Deixe uma resposta