Economia

Aliados pressionam Temer a rever meta fiscal, diz série de notas na Monica Bergamo

O presidente Michel Temer sofre pressão cada vez maior de aliados para revisar a meta fiscal do governo, hoje de R$ 139 bilhões. Parlamentares já se articulam para apresentar projeto de lei aumentando o rombo em R$ 30 bilhões.

NA REAL

Desde que a meta deste ano começou a ser discutida, ministros da área política como Eliseu Padilha (PMDB-RS) e senadores como Romero Jucá (PMDB-RR) preferiam que ficasse em torno de R$ 170 bilhões. Na época, prevaleceu a opinião da equipe econômica, que defendeu teto mais rigoroso.

NO MEIO

Um outro grupo, alinhado ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), levou ao governo uma solução intermediária: a de que Temer admita a revisão da meta desde que os parlamentares aprovem a reforma da Previdência. Ela criaria expectativas econômicas positivas que permitiriam alguma flexibilização nos gastos.

GOELA

A aprovação daria à equipe econômica, por sua vez, vitória que tornaria palatável a revisão da meta fiscal.

BAIXA

O grupo de Maia defende também que Temer se comprometa a reverter o aumento do PIS/Confins sobre combustíveis em 2018 caso a reforma seja aprovada.

DAQUI A POUCO

Jucá, apontado como articulador da revisão da meta, diz que o tema “só será discutido no final do mês”, depois que Fazenda e Planejamento apresentarem projeções sobre a receita e corte de gastos do governo.

Deixe uma resposta