Crise

Acordo da JBS é brando e semelhante ao da Odebrecht, dizem especialistas é o título de matéria na Folha

Alardeado pelo Ministério Público como o maior da história, o acordo de leniência da JBS anunciado nesta semana, de R$ 10,3 bilhões, foi considerado brando por especialistas.

Na prática, segundo Cesar Caselani, professor de finanças da FGV, o acordo da JBS pode ser até muito semelhante ao da Odebrecht. Isso porque os juros escolhidos para os irmãos Wesley e Joesley Batista são mais baixos do que a taxa destinada ao caso de Marcelo Odebrecht.

A J&F terá 25 anos para pagar e a dívida terá apenas correção monetária pelo IPCA. No acumulado de 12 meses até abril, o IPCA está em 4,08%.

Já a Odebrecht pagará um valor absoluto menor -R$ 3,8 bilhõesmas com correção pela Selic. A taxa Selic está em 10,25%. O prazo é de 23 anos.

Quando são comparados os acordos de leniência das duas, tem-se a impressão de que a multa da JBS é muito grande. Mas se levados ao valor futuro, ou seja, ao distribuir o pagamento no tempo e submetê-lo aos juros, o resultado final pode ser quase o mesmo.

Segundo projeções do professor da FGV Caselani, com uma estimativa de inflação de 4% pelos próximos 25 anos (um cálculo considerado otimista, segundo ele), o valor futuro para a JBS ficaria em cerca de R$ 27,5 bilhões.

No caso da Odebrecht, uma estimativa de Selic a 9% (também otimista para os padrões brasileiros) levaria ao valor futuro de R$ 27,78 bilhões ao final dos 23 anos de prazo.

“Achei insuficiente colocar apenas o IPCA na JBS, que não representa nem a taxa básica. É simplesmente a correção pela inflação”, diz Caselani.

O mais preocupante é que, em ambos os casos, não foi embutido na taxa um prêmio de risco para o caso de as empresas deixarem de pagar alguma parcela, principalmente levando-se em conta que as duas vivem fortes turbulências.

Na última semana, as agências de classificação de risco Moody’s e Fitch rebaixaram o rating da JBS.

Gilberto Braga, professor de finanças do Ibmec/RJ, pondera que o acordo da JBS inclui os fatos apurados em cinco operações da Polícia Federal: Greenfield, Sepsis, Cui Bono, Bullish e Carne Fraca. “Se pudéssemos fazer essa conta, sairia pouco mais de R$ 2 bilhões para cada operação, ou seja, mais baixas que a da Odebrecht”, diz Braga.

Roberto Parentoni, advogado e presidente do Ibradd (Instituto Brasileiro do Direito de Defesa), ressalva que se trata de um “valor respeitável”, mas questiona a falta de garantias reais.

“O problema é que ninguém garante que a multa vai ser paga. Como vai executar? A gente sabe que eles estão se mudando para os Estados Unidos”, questiona Parentoni.

O mercado reagiu à notícia do acordo nesta quarta (31) com um olhar positivo para a JBS, e as ações da empresa fecharam o dia com forte valorização de 9%.

“Não significa que os problemas acabaram, mas como é uma empresa que caiu demais, existe espaço para recuperação, que é o que eu acho que está acontecendo”, diz Raphael Figueredo, analista da Clear Corretora.

Deixe uma resposta