Congresso

Em busca de apoio, Temer pode recriar ministério, diz O Globo

Em busca de segurar sua base no Congresso, o governo estuda recriar o Ministério dos Portos e deixá-lo sob os cuidados dos senadores aliados Jader Barbalho (PMDB-PA) e Renan Calheiros (PMDB-AL), que ontem foi mantido na liderança do partido após amenizar suas críticas.

Um indicado de ambos os senadores comanda, hoje, a Secretaria Nacional de Portos, subordinada ao Ministério dos Transportes. É o ex-senador Luiz Otávio Campos, nomeado em abril para o cargo e que foi alvo da operação Lava-Jato em fevereiro nas apurações sobre desvios nas obras de Belo Monte.

O ministro dos Transportes, Maurício Quintella, é um adversário político de Renan em Alagoas e pode disputar com ele a vaga para o Senado em 2018. Além de agradar a Jader, a criação do Ministério dos Portos seria um gesto em direção a Renan, que teria mais ingerência sobre a área para fazer política em seu estado. NOVO TOM Após a reunião da bancada, Renan negou, em entrevista, que tenha defendido, anteriormente, a renúncia de Temer:

Nunca pedi renúncia porque renúncia é manifestação de vontade pessoal, um gesto unilateral. Eu disse que o presidente tinha sim que participar da construção para a solução da crise. É diferente de pedir renúncia.

O líder do PMDB também disse que suas críticas têm o intuito de “aprimorar” o governo:

Eu fiz críticas à condução econômica e disse que aprofundar a recessão neste momento grave da crise é errado. Fiz críticas à nomeação do ministro da Justiça e o tempo demonstrou que eu estava certo. O presidente o substituiu. Fiz críticas ao exagero da reforma da Previdência e o presidente tirou a proposta inicial e fez outra.

A reunião do PMDB durou quase quatro horas. Renan teve antes uma conversa com o líder do governo, Romero Jucá. Ele baixou o tom e fez acenos.

A estratégia de Temer de nomear um indicado de Renan para os Portos pode esbarrar em resistências dos deputados do PMDB. A bancada da Câmara defende que os peemedebistas de Minas Gerais sejam os próximos na fila por um ministério. Agora a reivindicação é pelo Ministério da Cultura, vago desde que Roberto Freire (PPS) deixou a pasta, após a delação da JBS.

Há a avaliação no Planalto de que escalar um deputado do PMDB no Ministério da Cultura pode ser um tiro no pé, já que o setor cultural é crítico a Temer e pode reagir contra uma indicação meramente política.

Conteudo originalmente postado no Portal :

Deixe um Comentario