Noticias

Controle do Supremo é ‘lenda urbana’ e ‘estupidez’, diz Cardozo é o título de matéria na Folha

O ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo (PT-SP) negou nesta quarta-feira (6) ter dito aos executivos da empresa de carnes JBS que teria “na mão” cinco ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Ele chamou de “estupidez” e “lenda urbana” a ideia de que ex-ministros da Justiça possam influenciar ministros do STF.

Em gravação divulgada nesta terça-feira (5), o diretor de relações institucionais da J&F, Ricardo Saud, diz ao empresário Joesley Batista, dono da empresa, que havia gravado uma conversa na qual Cardozo teria comentado sobre sua suposta influência no tribunal. Joesley procurou Cardozo para contratá-lo como advogado, mas o negócio não se efetivou. O conteúdo da suposta gravação da reunião não é conhecido nem foi entregue às autoridades pela JBS.

“Se eu controlasse o Supremo, Dilma Rousseff ainda seria presidente da República”, disse Cardozo à Folha, mencionando “seguidas derrotas” que sofreu no STF a respeito do processo de impeachment levou à destituição da então presidente no ano passado. “Eu não tive liminares concedidas durante o impeachment e até agora o processo principal não foi julgado. Eu perdi um mandado de segurança, sobre desvio de poder, em uma decisão do ex-ministro Teori. Outra matéria que discutia o rito nós também perdemos.”

“Nas ações do impeachment, quando eu tive cinco votos? Imagina, não existe isso. Eu, como qualquer advogado, ganho ou perco ações. Os ministros não se deixam influenciar por isso, isso é uma estupidez. Aliás, como não se deixaram influenciar em nenhum outro caso, nem do [ex-ministros da Justiça] Nelson Jobim nem do Márcio Thomaz Bastos. Isso é lenda urbana pura, que os ex-ministros da Justiça têm ascensão sobre o Supremo. Isso é um equívoco.”

‘NEM DE BRINCADEIRA’

Cardozo disse que não teria comentado algo semelhante “nem em tom de brincadeira” para um potencial cliente de seu escritório de advocacia. “Eu nunca falo isso. Aliás, eu sempre falo: ‘o Supremo ninguém controla, como ninguém controla o Ministério Público e não controla a Polícia Federal’. É uma frase clássica [minha].”

O advogado disse que foi procurado “esporadicamente” por Joesley quando era ministro da Justiça no governo Dilma, de 2011 a 2016. Em uma ocasião, da qual se recorda, Joesley foi acompanhado do atual ministro Henrique Meirelles, então membro do conselho de administração da J&F. A empresa queria saber se o governo federal poderia investigar supostas atividades de abate clandestino de gado no interior do país.

“Eu passei para a Polícia Federal para fazer um exame [da reclamação], mas acho que a polícia precisava de alguma configuração de um crime [para agir]. Eu recomendei que procurassem o Ministério da Agricultura. Foi a única reunião que eu me lembro de eles terem estado formalmente lá [no ministério]. Eu nunca tive nenhuma atuação no ministério em relação a Joesley, que eu me lembre, concretamente, nunca.”

O ex-ministro disse que prefere não comentar detalhes sobre o conteúdo da conversa que manteve com Joesley e Saud porque foi consultado como advogado. “Os fatos estão explicados, não tenho nada a ver com essa história. Em relação a conversas com pessoas que me procuraram como advogado, eu não posso comentar por razões éticas de sigilo profissional. Lamento, mas não posso comentar.”

Deixe uma resposta