Noticias

Série de notas na coluna do Estadão diz que Renan foi assunto em almoço de Temer

» Fit. O presidente Michel Temer repetiu duas vezes o tambaqui oferecido pelo deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) em almoço ontem. Em tempos de Carne Fraca, beliscou também um bife ancho goiano.

» Nova oposição. Durante o almoço, a orelha do líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, esquentou. Ele foi criticado por atacar com frequência o governo. A queixa da vez é à decisão do presidente Temer de sancionar o projeto de terceirização aprovado na Câmara. “Renan é um caso à parte”, diz Pauderney.

Baleia Rossi fala sobre crise nas democracias na China, diz nota na coluna do Estadão

» Pela tangente. Em evento partidário na China, o líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi, foi perguntado sobre a crise nas democracias. Respondeu com uma frase do presidente chinês: “Para saber se um sapato é bom, é preciso experimentá-lo. Para o Brasil, a democracia é ótima”.

Sem foro, país fica ingovernável, avaliam congressistas, diz nota na coluna do Estadão

» Pensa bem. Congressistas contra o fim do foro privilegiado avaliam que o País ficará ingovernável com a medida. Como a regra cairia para todos, do presidente da República a ministros do STF, alegam que todos ficarão à mercê de juízes de primeiro grau.

Costa Neto indica novo presidente da Valec é o título da nota principal da coluna do Estadão

Atuando nos bastidores da política desde que foi condenado no processo do mensalão, o ex-deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) tem nomeado no governo Temer mais gente do que muitos congressistas. O mais recente foi na Valec. É dele a indicação de Mário Mondolfo para presidir a empresa, que cuida de construção e exploração de ferrovias. Valdemar também emplacou Maurício Quintella no comando do Ministério dos Transportes, fora outros dirigentes. Desde Lula, todos os seis ministros da pasta são do partido de Valdemar.

» Foi dito. Em delação premiada, o ex-presidente da área de Construção da Andrade Gutierrez Rogério Nora de Sá acusou Costa Neto de receber propina de contratos da Valec. O PR e o ex-deputado não comentam temas judicializados.

Relator do TSE classifica caso entre Odebrecht e Petropolis de caixa 3, diz nota na coluna do Estadão

» “Barriga de aluguel”. Relator do processo no TSE que pode cassar Michel Temer, Herman Benjamin chama de “caixa 3” o caso envolvendo a Odebrecht e a Cervejaria Petrópolis. O caixa 1 é o ‘oficial’ e o caixa 2 é o ‘por fora’. Caixa 3 é uma empresa se valer de outra para esquema ilegal.

» Tudo igual. Em depoimento ao TSE, o ex-executivo da Odebrecht Fernando Migliaccio disse não conseguir distinguir propina de caixa 2 para campanha. “Para mim é uma coisa só”.

Deixe uma resposta