Noticias

JBS prevê retomada da produção em breve e descarta corte de funcionários, diz a Folha

Mesmo com a suspensão temporária da produção de carne bovina em quase todas as suas unidades no país, a JBS descarta, por enquanto, demitir funcionários ­—ela emprega 125 mil pessoas somente no Brasil.

Segundo um executivo do alto escalão da companhia, a fase mais aguda da crise passou, depois que países como China, Chile e Egito liberaram a importação da carne brasileira, deixando de fora as 21 unidades de frigoríficos que estão sob investigação.

Os três países responderam no ano passado por cerca de 40% dos embarques de carne “in natura” do Brasil.

O executivo diz que a JBS espera voltar a exportar para esses destinos em pouco tempo. Cortar pessoal agora, portanto, atrapalharia a produção futura, quando a retomada das vendas acontecer, mesmo que lentamente.

O comando da empresa estima, porém, que os prejuízos se prolongarão. Ainda há mercados importantes fechados, como Hong Kong, principal comprador de carne “in natura” brasileira.

E, mesmo nos países que recuaram dos bloqueios, será preciso um trabalho intenso nas próximas semanas para que os pedidos retornem ao patamar existente antes da Operação Carne Fraca.

Segundo o executivo, o dano à imagem dos frigoríficos brasileiros acabou sendo maior no exterior, onde ainda prevalece a ideia de que a operação da PF desbaratou um esquema de venda de carne estragada em larga escala.

Os clientes do mercado doméstico reagiram melhor e mais rapidamente aos esclarecimentos sobre a operação.

CARNE FRACA

A Carne Fraca investiga um esquema de pagamentos a fiscais do Ministério da Agricultura por frigoríficos. Ela também apontou evidências de irregularidades na produção de carne por algumas das empresas investigadas.

Um corte no número de funcionários da JBS será estudado apenas se novos reflexos da Carne Fraca surgirem nas próximas semanas.

Nesta segunda (27), todas as unidades da empresa no país retomarão as atividades. A produção, porém, ficará restrita a 65% do habitual.

Na semana passada, como reação às perdas provocadas pela operação da PF, a empresa informou que suspendera temporariamente a produção de carne bovina em 33 das 36 unidades no Brasil.

A medida, afirmou um executivo à Folha, era necessária porque as mercadorias não estavam saindo dos portos e havia risco de um “colapso na armazenagem”. Ou seja, não havia mais espaço para guardar o excedente.

Reflexos da Carne Fraca nos resultados da JBS são vistos como inevitáveis pelo comando da empresa. Compradores já estão aproveitando para pressionar por preços menores, o que pode prejudicar a margem de lucro.

Deixe uma resposta