Noticias

Por 2018, Alckmin busca apoio em áreas de influência de Aécio, diz a Folha

Em disputa pela candidatura tucana à Presidência, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, tem ganhado espaço em Minas Gerais, principal área de influência do presidente do partido, senador Aécio Neves.

Depois de se aproximar do ex-prefeito de Belo Horizonte e presidente estadual do PSB, Marcio Lacerda, Alckmin agora busca o apoio do atual prefeito Alexandre Kalil (PHS). Ambos tinham boas relações com Aécio e romperam no ano passado.

Após um convite de Alckmin pelo telefone, Kalil (PHS) irá a São Paulo para se reunir com o governador em um jantar, conforme revelou a coluna Mônica Bergamo, da Folha. O encontro está marcado para o dia 7 de abril.

Também convidado, o presidente nacional do PHS, Eduardo Machado, afirma que a reunião deve ser o primeiro passo para um possível apoio de Kalil e de seu partido ao governador em 2018. Além dos três políticos, participarão do jantar as mulheres de cada um.

Minas foi governada por Aécio entre 2003 e 2010, mas seus aliados perderam tanto a última disputa para o governo, em 2014, como para a prefeitura da capital.

Antes das eleições municipais do ano passado, Kalil chegou a ir a Brasília para informar a Aécio que ia se candidatar a prefeito. Depois de ser duramente atacado durante a campanha, afirmou em seu primeiro pronunciamento como eleito que procuraria líderes de todos os partidos para conversar, “mas não Aécio”. Disse que o senador é “adversário”.

O ex-prefeito Marcio Lacerda também rachou com Aécio pouco antes das eleições municipais de 2016. Lacerda chegou a passar um fim de semana com Alckmin na casa de Campos do Jordão (SP) do atual prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB).

Procurada, a assessoria de Alckmin diz que o encontro com Kalil ainda não consta na agenda do governador. O senador José Serra (SP) também está na disputa à candidatura tucana em 2018.

RIO GRANDE DO NORTE

Em outro aceno à candidatura de Alckmin ao Planalto, o PSDB do Rio Grande do Norte levará o governador paulista para um ato de filiação de prefeitos do Estado no próximo sábado. As tratativas foram feitas em uma visita de parte da bancada federal ao Palácio dos Bandeirantes na última semana.

O Estado é território do senador José Agripino Maia, presidente do DEM, um dos coordenadores da campanha de Aécio em 2014.

O convite ao paulista é uma demonstração de que o diretório estadual tucano trata Alckmin como nome natural do partido para 2018.

O deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), no entanto, contemporiza. “Vamos aguardar, e o melhor vai ser escolhido. Mas Geraldo Alckmin tem todas as condições de ser o próximo presidente.”

SONHO DE CONSUMO

O PHS tem apenas sete deputados em exercício na Câmara Federal, mas obteve vitórias importantes na região metropolitana de Belo Horizonte em 2016.

Além de comandar a capital, é o partido do prefeito de Betim, o empresário Vittorio Medioli. A cidade é a quinta mais populosa do Estado e Medioli o prefeito mais rico do país –com pretensão de concorrer ao governo, segundo aliados.

Eduardo Machado diz que o partido ainda não fechou o apoio para 2018, mas tem simpatia pelo nome de Alckmin. Ele frisa que essa disposição não existe por uma candidatura de Aécio.

No entanto, afirma que trocaria o apoio a Alckmin em 2018 se o partido pudesse lançar o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) ao Planalto pela sigla. “É um sonho de consumo ter o Bolsonaro como candidato a presidente”, afirma.

Deixe uma resposta