Noticias

Sem reforma, economia vai ao caos, diz Maia é o título de matéria no Valor

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou ontem que uma eventual rejeição à proposta de reforma da Previdência oferecida pelo governo Michel Temer ao Congresso Nacional levará a economia do país ao caos.

“O dia seguinte de uma não aprovação da reforma da Previdência será o caos”, disse ele. “Será o forte crescimento da taxa de juros no Brasil, vai ser a perda definitiva da credibilidade do Brasil”, completou.

Maia participou da cerimônia de posse do novo conselho de administração da Amcham Brasil, a Câmara Americana de Comércio, em São Paulo. Ele falou após o presidente Michel Temer e o secretário de Acompanhamento Econômico do ministério da Fazenda, Mansueto Almeida.

A declaração sobre o risco de caos foi dada em rápida entrevista a jornalistas na saída do evento. Minutos antes, ele já havia dito que “esta é a última oportunidade que o Brasil tem de fazer uma reforma [da Previdência] que não vai tirar benefício de ninguém”. Segundo o parlamentar, ainda há tempo de fazer uma reforma “diferente de Portugal, diferente da Grécia, onde se cortou benefício e aposentadoria”.

O presidente da Câmara afirmou que essas informações ainda precisam ser devidamente explicadas aos seus colegas deputados, “que às vezes vêm com informações distorcidas” sobre o tema. Ele evitou dizer se concorda ou se discorda da avaliação do relator da matéria, deputado Arthur Maia (PPS-BA), segundo a qual o governo está perdendo a “guerra da comunicação” em torno da reforma. Disse apenas que é mais fácil espalhar dados falsos do que verdadeiros.

Segundo Maia, é preciso “ter coragem” para transmitir determinadas informações à sociedade a respeito da gravidade da situação econômica do país.

“Olhem o que acontece com o Rio de Janeiro hoje. O décimo terceiro, o [governador Luiz Fernando] Pezão, li agora na internet, vai pagar só para quem ganha até R$ 3,2 mil. O salário de janeiro foi pago em março, na semana passada. Não achem que isso é brincadeira, que não vai acontecer com o governo federal. Vai acontecer com o governo federal se nós não tivermos a coragem e a certeza de que precisamos reformar o Estado brasileiro”, afirmou o parlamentar.

Maia classificou a proposta do governo para a Previdência como “boa”. Ele defendeu a regra de transição enviada ao Congresso, que contempla só quem tem mais de 50 anos. Trata-se de um dos dispositivos que mais têm sido criticados nos debates sobre o tema. “Aqueles que estão abaixo vão ter de entender que é assim. Eu estou abaixo de 50 anos e não tem problema”, disse.

Durante sua apresentação na cerimônia, Maia afirmou que está “muito confiante” com a agenda de reformas em pauta no país. Ele disse que a Câmara deverá aprovar um projeto de terceirização hoje ou amanhã e aprovar a reforma trabalhista em abril.

“No fim de abril, começo de maio, vamos caminhar para a reforma da Previdência”, concluiu.

Deixe uma resposta