Noticias

Inquieto, Alckmin tenta cacifar Doria para governo de SP, diz a Folha

Apesar da inquietação, aliados do governador Geraldo Alckmin (PSDB) têm se mostrado conformados com a impossibilidade de frear a especulação em torno de eventual candidatura de João Doria (PSDB) à Presidência.

Na análise de alckmistas, Doria pagará um preço alto se partir para o enfrentamento com o governador, seu padrinho político, e deixar a prefeitura sem ter completado nem dois anos de gestão.

Seria criticado pela deslealdade e por ter usado a prefeitura de trampolim, apostam. Além disso, tucanos paulistas observam que o PSDB não entregaria a candidatura a Doria de bandeja.

Alckmin trabalha para se lançar ele próprio ao Planalto em 2018. Os senadores Aécio Neves e José Serra também aparecem na fila.

Dada a dimensão que o caso tomou, interlocutores de Alckmin calculam que a conjuntura pode ajudar a cacifar Doria para disputar a sucessão no Estado. Faria um bom palanque para ele em SP e impediria rachas em sua base.

Hoje, figura como potencial candidato ao Palácio dos Bandeirantes o vice-governador, Márcio França (PSB).

Também podem entrar na disputa Serra e José Aníbal (PSDB), sondado para assumir uma secretaria estadual.

Interlocutores de Alckmin demonstram confiança em sua candidatura nacional, com apoio de governadores e congressistas. Há, porém, incômodos com a atitude de Doria. Em público, o prefeito repete que seu candidato ao Planalto em 2018 é Alckmin.

Tucanos dizem que o prefeito poderia por um basta nas especulações, mas não o faz. Pressionado, responde que está quieto, mas que não pode conter os seus aliados.

Uma pessoa próxima ao prefeito disse que ele se mantém em silêncio, mas o assunto é recorrente em conversas que presencia. Já foram aventados até possíveis candidatos a vice: o mais forte é o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM). O ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) também foi lembrado.

Outro auxiliar de Doria afirmou que tudo não passa de especulação e que a melhor forma de contradizê-la é o trabalho em conjunto.

Nesse sentido, o prefeito quer retomar projetos na área de saneamento em parceria com o Estado. O assessor reconhece a possibilidade de o prefeito disputar o governo “para ajudar Alckmin”.

No meio tempo, o apoio a Doria no Planalto cresce. Secretários municipais, empresários e movimentos sociais defendem a ideia. Na semana passada, o MBL (Movimento Brasil Livre) declarou ao jornal “O Estado de S. Paulo” ser favorável à ideia.

Executivos de diversos setores, de cosméticos a infraestrutura, têm se entusiasmado. Veem seu nome como a melhor alternativa para derrotar Luiz Inácio Lula da Silva.

Outro fator de inquietação no entorno de Alckmin é a Lava Jato. Ele foi citado em delações por suposto recebimento de caixa dois, em dinheiro vivo, para campanhas de 2010 e 2014. Duas pessoas próximas teriam sido intermediárias. Alckmin nega.

No meio político, há a expectativa, porém, de que as acusações contra governadores, especialmente os tucanos, sejam mais brandas que as demais no rol da operação.

O vice-procurador geral Bonifácio Andrada, que toca os processos no Superior Tribunal de Justiça, tem passado ligado ao PSDB –foi advogado-geral da União, no governo FHC, e de Minas, na gestão de Aécio. E tem bom trânsito com Gilmar Mendes.

Deixe uma resposta