Noticias

Petrobras eleva preços do gás de botijão em 9,8%, diz O Globo

Reajuste entra em vigor a partir do próximo dia 21. Impacto para o consumidor deve variar de 3,1% a 10


A Petrobras reajustou o preço do gás de botijão em 9,8% nas refinarias, o que provocará um aumento de pelo menos 3,1% para o consumidor. Mas, em algumas regiões, a alta pode chegar a 10%. Para analistas, estatal quer aproximar preço ao praticado no mercado internacional. A Petrobras reajustou os preços do gás de botijão (GLP), o que não acontecia há um ano e seis meses. A estatal aumentou a sua margem nas refinarias em 9,8%, em média. O reajuste começa a valer a partir do próximo dia 21.

A margem da estatal representa cerca de um quarto do preço final do botijão, que tem outros itens como margem dos revendedores e impostos. Se for feito apenas o repasse do aumento de preços nas refinarias, a alta para o consumidor pode chegar a 3,1%, ou cerca de R$ 1,76, diz a estatal. Porém, um executivo do setor estimou que o impacto para os consumidores deverá ficar entre 4% e 10%, dependendo da região.

O Sindigás , que reúne as distribuidoras de GLP, disse em nota que “foi surpreendido” pelo anúncio da Petrobras de que reajustará os preços do GLP. O Sindigás ressaltou que em alguns locais de entrega o reajuste da estatal pode chegar a 14,7%. O sindicato do setor destacou ainda que são esperados, também, movimentos de redução de preços para o GLP vendido em botijões acima de 13 quilos.

O Sindigás informa ainda que não é possível prever o impacto do reajuste para o consumidor final, “uma vez que o mercado é livre e os cálculos apresentados são meramente especulativos”.

No ano passado, o mercado de GLP no Brasil apresentou alta de 1,6%, com vendas de 7,4 milhões de toneladas. O presidente do Sindigás, Sérgio Bandeira de Mello, destacou que o anúncio da Petrobras mostra tendência de alta.

— A decisão mostra um movimento de que a Petrobras está querendo aproximar seus preços com os internacionais, embora ainda estejam muito baixos. O mercado é livre, e os consumidores devem pesquisar para comprarem o produto — destacou Sérgio Bandeira.

O reajuste, que atinge os botijões de até 13 quilos, entra em vigor à zero hora de 21 de março. Segundo a Petrobras, a margem da revenda e distribuição representa 54% do preço do botijão. O ICMS soma 16% do valor do produto, além de 4% de PIS/Pasep e Cofins. A margem da Petrobras é de 26%.

“O último reajuste feito pela Petrobras no gás de botijão residencial ocorreu em 1º de setembro de 2015. A correção atual não se aplica ao GLP destinado ao uso industrial”, destacou a estatal em nota.

Entre janeiro de 2003 e dezembro de 2016, o preço do botijão do gás aumentou 89,4%, de acordo com o IPCA, o índice de preços ao consumidor. A Petrobras nesse período reajustou seus preços em 15%.

No dia 25 de fevereiro, a Petrobras aumentou os preços da gasolina em 6,5% e os do diesel em 4,8%. Desde outubro do ano passado, a Petrobras faz ajustes mensais nos preços dos combustíveis, de acordo com sua nova política de preços.

Conteudo originalmente postado no Portal :

Deixe uma resposta