Noticias

Renan diz que governo é alvo de disputa entre PSDB e Eduardo Cunha é o título de matéria na Folha

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), disse que o ministro Eliseu Padilha “deveria voltar imediatamente” de sua licença médica para evitar que o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) instale um aliado na Casa Civil.

Segundo ele, o governo do presidente Michel Temer é alvo de uma disputa entre o PSDB e um grupo de deputados comandado por Cunha, ex-presidente da Câmara, preso em Curitiba por causa da Operação Lava Jato.

Renan poupou a indicação do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) para o Ministério de Relações Exteriores, mas condenou a escolha de Osmar Serraglio (PMDB-PR) para o Ministério da Justiça, de André Moura (PSC-SE) para a liderança do governo no Congresso e de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) para a liderança do governo na Câmara.

“A política se compreende pelos sinais. Os últimos sinais emitidos pelo governo com as nomeações é que há uma disputa interna entre o PSDB e o núcleo originário da Câmara dos Deputados, que foi liderado pelo Eduardo Cunha”, afirmou Renan a jornalistas na tarde desta quarta (8).

“Se [Michel Temer] não está fazendo esta leitura, deve estar equivocado pelas decisões que tomou”, disse Renan, afirmando que defende o PSDB na tal disputa e citando o ex-presidente argentino Juan Domingo Perón. “Política não se aprende, se compreende.”

Mais cedo, Renan esteve no Palácio do Planalto para uma conversa com o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral), homem muito próximo a Michel Temer.

Ele disse ter alertado o ministro de que, se Eliseu Padilha não reassumir logo a Casa Civil, Cunha colocará no lugar o atual subchefe para Assuntos Jurídicos da pasta, Gustavo do Vale Rocha, que já atuou como advogado do ex-presidente da Câmara.

Padilha submeteu-se a uma cirurgia na próstata no Rio Grande do Sul e recebeu alta nesta quarta.

“Hoje, falei para o Moreira: ‘avisa ao Padilha que volte o mais imediatamente possível, porque, senão, o Eduardo Cunha vai sentar o Gustavo Rocha na cadeira dele’. Esses são os sinais que a política tem emitido”, afirmou Renan.

Questionado pelos jornalistas se Michel Temer estava sendo alvo de chantagem, Renan esquivou-se, mas citou o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na Justiça Federal.

“Moro, há 20 dias, estava defendo o presidente da chantagem de Eduardo Cunha, negando as perguntas [encaminhadas pelo ex-presidente da Câmara ao presidente da República]”, afirmou Renan.

FOGO AMIGO

Renan Calheiros também criticou o PMDB da Câmara, que tenta articular o afastamento do senador Romero Jucá (RR) da presidência do partido.

Uma carta cobrando o afastamento de envolvidos na Lava Jato do comando do partido foi redigida pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS), aliado fiel de Cunha.

“Depois de tomar conta do governo, vai querer tomar conta do partido”, afirmou Renan Calheiros.

Deixe uma resposta