Noticias

Depoimento de Marcelo Odebrecht durou quatro horas, diz a Folha

O empreiteiro Marcelo Odebrecht depôs durante quatro horas nesta quarta-feira (1), em Curitiba, como testemunha na ação de cassação da chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014.

O depoimento era aguardado com grande expectativa pelas defesas: como delator, o empresário poderia afirmar se houve ou não caixa dois na arrecadação da campanha presidencial de 2014, e se o dinheiro tinha origem ilícita, como propina de obras da Petrobras.

O teor da fala, porém, é sigiloso –segundo os advogados, o executivo repetiu o que disse em delação premiada, que ainda está em segredo de Justiça.

Em mãos, Marcelo Odebrecht tinha uma planilha e alguns documentos que integram a delação.

Nem os advogados da Odebrecht, nem os de Dilma e Temer puderam comentar o teor da audiência ou dos documentos.

“Ele falou o que deveria falar e poderia falar”, afirmou Luciano Feldens, advogado da Odebrecht.

“É prematuro fazer uma avaliação por enquanto; há temas a serem aprofundados com novas testemunhas”, disse Gustavo Bonini Guedes, advogado de Temer.

A defesa da ex-presidente Dilma saiu sem falar com a imprensa.

Como mostrou a Folha, no depoimento, Odebrecht confirmou ter se encontrado com Temer em um jantar, em Brasília, durante a campanha presidencial de 2014, mas negou ter falado sobre recursos ao partido com o peemedebista.

Ele ainda implicou o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (PT) em seu depoimento.

O depoimento foi acompanhado pelo ministro Herman Benjamin, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), relator do processo, que foi movido pelo PSDB.

A audiência começou às 14h30. Quatro manifestantes estavam em frente ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná, pedindo para que Marcelo “contasse tudo” e defendendo a investigação da Lava Jato.

O TSE ainda deve ouvir nos próximos dias outros quatro delatores da Odebrecht: os executivos Benedicto Barbosa da Silva Junior e Fernando Reis irão depor como testemunhas nesta quinta (2), no Rio de Janeiro.

Na sequência, Claudio Melo Filho e Alexandrino Alencar serão ouvidos na próxima segunda (6), em Brasília.

Melo Filho relatou em delação que Temer pediu, em uma reunião no Palácio do Jaburu, R$ 10 milhões em doação ao PMDB na eleição de 2014.

Deixe uma resposta