Noticias

Convite a Bolsonaro para palestra em clube divide comunidade judaica, diz a Folha

A repercussão do convite para uma palestra com o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) agendada para março na sede paulistana do clube judaico Hebraica levou à suspensão do evento e a um debate intenso na comunidade.

De um lado, interessados e simpatizantes do deputado de extrema direita, provável candidato a presidente em 2018, indignaram-se com a decisão da diretoria do clube, a qual chamaram de censura.

De outro, críticos de Bolsonaro articularam abaixo-assinado com mais de 2.700 nomes como o do ex-ministro Renato Janine Ribeiro. Nas redes sociais, afloraram protestos contra a iniciativa, vista como gesto de anuência aos valores defendidos pelo político.

Bolsonaro é alvo de processos de cassação na Câmara por acusações como ser homofóbico e favorável à tortura. Ele nega.

O evento na Hebraica foi idealizado pelo empresário Alexandre Nigri, 42, que, questionado pela Folha, preferiu não se manifestar.

Ele procurou o clube, que concordou com a parceria. Ao anunciar a palestra, porém, foi surpreendido com a polêmica. Dois dias depois, informou sua suspensão.

“Tomou essa proporção por tudo de ruim que representa o Bolsonaro. Um cara racista, misógino, antissemita pensar em ser recebido em um clube da comunidade é, por si só, terrível”, afirmou o empresário gaúcho Mauro Nadvorny, 59, que organizou o abaixo-assinado.

“Tem aqueles que se deixam seduzir pelo canto da sereia, que, neste caso, nos remete ao holocausto. Quando Hitler começou, também teve apoio de judeus”, comparou.

A advogada Tamara Segal, 51, foi a público criticar a diretoria da Hebraica. “Ele é meu candidato. Isso é uma coisa. Porém, se tivesse sido feito o mesmo com Lula, Marina ou Tiririca, acharia descortês da mesma forma. O cancelamento, sim, denota partidarismo”, afirmou.

O presidente da Hebraica, Avi Gelberg, disse que o convite a Bolsonaro ainda não havia sido oficializado. “Após conversa com a equipe do deputado, definimos que seria mais adequado fazer um evento com todos os pré-candidatos, num modelo equilibrado e democrático, como sempre agimos”, disse.

Procurado pela reportagem, Bolsonaro disse que não se manifestaria.

‘SHALOM’

Por trás da simpatia de parte dos eleitores judeus por Bolsonaro, dois argumentos são recorrentes. O primeiro é sua suposta distância de esquemas de corrupção e o segundo, a defesa que ele exterioriza do Estado de Israel.

Especialmente depois de visitar o país, onde foi batizado, no rio Jordão, pelo pastor Everaldo, evangélico, em maio de 2016, Bolsonaro passou a usar de símbolos hebraicos. Em discurso na Câmara pouco depois, mostrou-se emocionado.

“Um futuro vale do Silício teríamos aqui com a participação física, material e intelectual desse povo que orgulha a todos do mundo, o povo de Israel”, discursou. “Muito obrigado. Shalom”, encerrou, falando em hebraico a palavra paz.

Bolsonaro, que apareceu com quase 10% das intenções de voto na corrida presidencial em pesquisa Datafolha de dezembro, tem viajado o Brasil para palestrar.

Há duas semanas, passou por situação semelhante quando uma faculdade do Distrito Federal negou que tivesse marcado uma apresentação, apesar de o deputado ter confirmado a agenda.

Ao justificar o evento a conhecidos, Nigri disse que tinha interesse em conhecer suas ideias “sem o filtro da mídia”. Reconheceu que é uma “figura polêmica” e que seu “tom exacerbado” o ajuda a se promover, o que reforçaria a necessidade de ouvi-lo.

O autor do convite argumentou que a adesão à palestra evidenciou a curiosidade na comunidade judaica. Mil pessoas assinaram petição pela realização do evento.

Segundo a Folha apurou, chegou-se a cogitar tornar a palestra em debate com outros possíveis presidenciáveis. A direção suspendeu antes de se chegar a consenso.

O rabino Michel Schlesinger defendeu a saída escolhida como forma de garantir “que fique claro o compromisso do clube com valores de liberdade e democracia”.

“O judaísmo tem tradição de debate. Mas a liberdade de expressão não pode servir de plataforma para a propagação de ideologia discriminatória e apologética à ditadura.”

Deixe um Comentario