Noticias

‘Nunca operei dinheiro de campanha para o PMDB’ é o título de matéria no Estadão com fala de Yunes

O ex-assessor especial da Presidência José Yunes disse ontem que nunca operou “dinheiro de campanha para o PMDB”. Em entrevista à Rádio Estadão, ele ironizou o relato do ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho, que disse que ele teria recebido R$ 1 milhão em espécie em seu escritório de advocacia, em São Paulo.

Nunca operei dinheiro de campanha para o PMDB. Nego peremptoriamente que recebi dinheiro para a campanha do PMDB”, afirmou o advogado.

Yunes reiterou que recebeu um pacote do operador financeiro Lúcio Funaro, a pedido do hoje ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, um mês antes da eleição presidencial de 2014 que reelegeu a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer.

Conforme relatos de Melo Filho, Padilha teria sido o destinatário de R$ 4 milhões em caixa 2 para a campanha. Nesse caso, segundo o ex-assessor especial, “o dinheiro não iria em um envelope, mas num caixa-forte”.

Yunes disse que conversou anteontem pessoalmente com o presidente Michel Temer e falou sobre o depoimento espontâneo que fez à ProcuradoriaGeral da República sobre o episódio. Segundo ele, Temer não demonstrou preocupação com o fato e lhe disse que “o melhor é sempre contar a verdade”.

Na entrevista à Rádio Estadão, Yunes não quis fazer comentários sobre o ministro da Casa Civil. “Não faço juízo de valor sobre Padilha”, afirmou.

Deixe um Comentario