Noticias

Voos privados para casa de verão custariam R$ 20 milhões a Cabral, diz a Folha

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) teria um gasto aproximado de R$ 20 milhões caso realizasse voos privados no mesmo ritmo com que utilizou os helicópteros do Estado para ir a Mangaratiba, onde tem uma casa de veraneio, entre 2007 e 2014.

O cálculo considera o que o próprio ex-governador pagou em janeiro e fevereiro de 2015 em voos privados pagos, de acordo com o Ministério Público Federal, com dinheiro de propina.

A Folha revelou nesta quarta (22) que helicópteros do Estado realizaram 1.481 voos para Mangaratiba.

Responsável por alugar aeronaves para Cabral, o empresário Pierre Cantelmo Areas apontou em planilha entregue à Procuradoria que cada “perna” do voo Rio-Mangaratiba custava R$ 13.500 ao peemedebista.

De acordo com ele, os serviços eram pagos em dinheiro vivo ou depósito bancário. O dinheiro vinha do “caixa” mantido pelos doleiros Renato e Marcelo Chebar, que firmaram delação premiada e contaram que geriam parte da propina arrecadada.

A lista de pousos e decolagens feitos na gestão Cabral produzida pela Subsecretaria Militar não apresenta nomes dos tripulantes. Cabral admitiu que, em muitos casos, aeronaves oficiais eram usadas para transportar familiares sem a sua companhia.

A lista, contudo, mostra a mobilização de várias aeronaves num mesmo dia realizando o mesmo trajeto.

O ex-governador é alvo de uma ação popular que aponta possível uso abusivo das aeronaves do governo para fins particulares.

Em depoimento à Justiça estadual, o peemedebista afirmou que utilizava as aeronaves por orientação da Subsecretaria Militar, que apontava possíveis ameaças ao ex-governador e sua família.

O subsecretário-adjunto de Operações Aéreas, Marcos Oliveira César, disse que cada viagem de Cabral a Mangaratiba custava, em média, R$ 3.500. Era o gasto com deslocamento de viaturas e homens para o local.

Ele afirmou que fazer o trajeto de helicóptero era mais econômico do que uma escolta terrestre até Mangaratiba, que fica a 105 km do Rio. Essa missão custaria, em média, R$ 6.000, por demandar mais homens e viaturas para a escolta do então governador.

A lista mostra ainda que os helicópteros oficiais foram usados 1.020 vezes para o trajeto da Lagoa até o Palácio Guanabara, de 2007 a 2014.

Cabral costumava deixar sua casa no Leblon, ia de carro até a base do Estado na Lagoa e voava até a sede do governo. A outra opção seria deslocar-se por dez quilômetros nas ruas do Rio. César afirmou que, em muitos casos, optava-se pelos helicópteros em razão do trânsito.

O relatório do governo mostra também que os helicópteros do Estado, em 17 oportunidades, fizeram “escala” em Piraí antes ou depois de seguir para Mangaratiba. A cidade do interior é onde vivem familiares do atual governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Deixe um Comentario