Noticias

Serra voava sob efeito de injeções e pensava em deixar pasta havia 20 dias, diz a Folha

Antes de embarcar para seu último compromisso internacional, um encontro para discutir políticas públicas na Alemanha, José Serra (PSDB) tomou uma injeção com analgésicos para aliviar as dores que sentia na coluna.

O incômodo, que se acentuava em viagens aéreas, havia se tornado uma rotina desde que o agora ex-chanceler diagnosticou um desgaste acentuado entre duas vértebras, ainda no ano passado.

Em conversas com pessoas próximas, Serra vinha dizendo que o quadro beirava o insuportável. Há cerca de 20 dias confidenciou que, diante do quadro, pensava em deixar a chefia Ministério das Relações Exteriores, pasta que, pela função, obriga o titular a fazer longos voos.

Temia, porém, que a decisão irritasse o presidente Michel Temer, fragilizasse o governo e desse margem a especulações sobre uma motivação política.

Temer presenciou por diversas vezes a aflição do então ministro. Durante um viagem para a Índia, em novembro do ano passado,disse ao próprio Serra que o via abatido e que achava que ele vinha se alimentando mal. Pediu para que o ministro tentasse descansar.

Serra se submeteu a uma cirurgia na coluna no mês seguinte, para descomprimir a cervical e substituir o disco vertebral que estava desgastado por uma placa de titânio. Chegou a ficar internado em uma unidade de terapia semi-intensiva.

Após a alta, retomou o trabalho se submetendo quase diariamente a sessões de fisioterapia, mas continuou se queixando de dores. Em visita a São Paulo, no último dia 29 de janeiro, comentou que a coluna, após a cirurgia, passou a incomodar ainda mais do que antes.

Este mês, após reclamar de muitas dores na coluna e dificuldade de sono, passou por uma nova série de exames. Apesar de a cirurgia ter sido bem sucedida do ponto de vista ortopédico, o laudo apontou restrições a viagens longas e ambiente de turbulência.

Embora tenha recebido os exames no início de fevereiro, decidiu manter a viagem à Alemanha. Embarcou na semana passada. Ao retornar, sofrendo muitas dores, se rendeu à impossibilidade de se manter num cargo que exige uma rotina de viagens.

O tucano entrou sua carta de demissão a Temer nesta quarta-feira (22).

No texto, diz ter sido orgulho integrar a equipe do presidente, de quem é amigo pessoal há anos. Prometeu retomar suas atividades no Senado. Ele tem mandato na Casa até 2022.

‘ENTEDIADO’

Além de se queixar das dores nas costas, Serra também se dizia “entediado” no cargo e se considerava subaproveitado, segundo amigos.

A avaliação era de que o sacrifício físico não compensava.

Durante a montagem do governo Temer, o tucano chegou a ser cotado para o Ministério da Fazenda. Seu nome era defendido pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

O cargo, porém, que acabou nas mãos de Henrique Meirelles.

LAVA JATO

Pessoas próximas ao ministro dizem ainda que ele vinha manifestando profunda inconformidade com citações ao seu nome na Operação Lava Jato.

Como mostrou a Folha em agosto de 2016, um dos delatores da Odebrecht afirmou que a empreiteira fez doações no exterior à campanha de Serra à Presidência em 2010.

Com as especulações em torno do fim do sigilo sobre o acordo de colaboração firmado pela empresa com a Justiça, aliados não descartam que o ministro tenha se afastado para minimizar um eventual desgaste para o governo.

 

Deixe um Comentario