Noticias

Fachin nega pedidos de Lula, Aécio, Cunha, Dirceu e Argello, diz O Globo

O ministro Edson Fachin, relator dos processos da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), negou, no mesmo dia, cinco pedidos feitos por políticos investigados na operação: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o ex-ministro José Dirceu (PT-SP) e o ex-senador Gim Argello (PTB-DF). Três deles estão presos atualmente no Paraná: Cunha, Dirceu e Argello. Lula e Aécio pediam informações de delações premiadas.

Lula queria ter acesso à delação do ex-deputado Pedro Corrêa, firmada com o Ministério Público Federal (MPF), mas ainda não homologada pelo STF. O próprio MPF foi contra o pedido do ex-presidente, uma vez que não houve a homologação até agora. Fachin acrescentou que, mesmo se o acordo já estivesse finalizado, o sigilo deveria ser mantido até a instauração de inquéritos baseados na delação, de forma a não comprometer as investigações.

Assim, enquanto não instaurado formalmente o inquérito, o acordo de colaboração e os correspondentes depoimentos estão sujeitos à tramitação sigilosa. Com a instauração do inquérito, nada obstante o acesso aos autos seja restrito ao juiz, ao Ministério Público e ao delegado de polícia, como forma de garantir o êxito das investigações, assegurado também será ao defensor legalmente constituído amplo acesso aos elementos de prova que digam respeito ao exercício do direito de defesa”, decidiu Fachin.

Em nota, o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula, disse que pediu acesso à delação de Corrêa porque o material foi usado pelo MPF em denúncias contra o ex-presidente. Mesmo assim, destacou a defesa, o MPF deixou de juntar o documento. “Já foram colhidos os depoimentos de 65 testemunhas até o momento, incluindo o de Corrêa, e nenhuma delas afirmou qualquer fato que pudesse vincular Lula a qualquer ato ilícito no âmbito da Petrobras ou a propriedade de um imóvel no Guarujá”, diz trecho da nota.

Aécio, por sua vez, pedia acesso à delação de Benedicto Júnior, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, e Sérgio Neves, exdiretor da Odebrecht em Minas, além de “qualquer outro que tenha mencionado” seu nome. Ele citou matéria do site BuzzFeed, publicada em 30 de janeiro, segundo a qual a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediria investigação para apurar irregularidades nas obras da Cidade Administrativa, a sede do governo de Minas construída quando ele era governador do estado.

Diferentemente de Pedro Corrêa, as delações de executivos da Odebrecht já foram homologadas pelo STF. Mas, da mesma forma feita no pedido de Lula, Fachin destacou que o sigilo deve ser mantido para preservar investigações. Disse ainda que “eventual menção em termo de colaboração não confere ao peticionário (Aécio), automaticamente, a condição de investigado”.

DIRCEU PEDIU LIBERDADE

Eduardo Cunha pedia que fosse suspensa sua transferência da carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba para o Complexo Médico-Penal em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana da capital paranaense. A medida foi determinada pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato na primeira instância.

A defesa de Cunha disse que a PF pediu a transferência de três presos alegando superlotação: Cunha, o ex-presidente da empreiteira OAS Léo Pinheiro e o ex-tesoureiro do PP João Cláudio Genu. Ainda assim, mesmo sendo o único dos três ainda sem condenação na Lava-Jato, e com menos tempo de prisão, foi o único a ser transferido. Dessa forma, conclui a defesa, Moro dispensa tratamento mais gravoso ao ex-presidente da Câmara do que ao outros presos. Fachin, porém, negou o pedido sem sequer analisá-lo, alegando que não é competência do STF decidir sobre a questão.

A defesa de Dirceu, que está preso desde agosto de 2015, solicitava que ele fosse solto, mas Fachin negou o pedido por razões técnicas. Pelos mesmos motivos, o ministro negou o pedido de liberdade de Gim Argello.

Conteudo originalmente postado no Portal :

Deixe uma resposta