Noticias

Mercado financeiro especula que nota de crédito do Brasil melhore, diz a Folha

A euforia no mercado financeiro dos últimos dias fez com que investidores flertassem com a ideia de que o Brasil poderia melhorar a nota de crédito, apesar da fragilidade das contas públicas do país.

Embalado pelo cenário externo superfavorável, o Brasil chegou a ostentar nível de risco-país semelhante ao de nações emergentes com nota um degrau acima do seu patamar, mais próximo do grau de investimento (selo de bom pagador, perdido em 2015).

Tamanho otimismo nos mercados contagiou o Planalto. O chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse na quarta (15), quando o dólar caiu a R$ 3,05, que o país pode recuperar o selo de bom pagador com a reforma da Previdência.

Os investidores estão animados com o Brasil. Acreditam que o governo Michel Temer conseguirá aprovar a reforma da Previdência, o crescimento econômico vai retornar e que os juros vão cair de forma mais acentuada. A onda de otimismo interna fez com que o país tivesse uma queda mais forte do risco-país neste ano do que seus pares com as mesmas notas.

A Turquia, que como o Brasil está dois degraus abaixo do grau de investimento na Standard & Poor’s, viu seu risco cair 12% neste ano.

Segundo o economista-chefe do Santander, Maurício Molan, o Brasil está “precificado” hoje entre o grau de investimento e um nível abaixo.

“Os preços atuais são compatíveis com upgrade [melhora de nota]. É um movimento de euforia com o Brasil, percepção de que o país está fazendo o dever de casa”, diz. Se repetir a tendência dos últimos movimentos de nota do Brasil, porém, as agências de risco ainda levarão tempo para promover o Brasil. Há poucos dias, a S&P manteve o país no grau especulativo e reafirmou a perspectiva negativa.

A Fitch recomendou que o país adote políticas para crescer e recuperar receita. “O jogo do mercado é antecipar. A performance da Bolsa brasileira no passado não foi especular depois que o país recebeu grau de investimento, mas sim antes”, afirma Frederico Sampaio, diretor da gestora Franklin Templeton.

DE BEM

Gestores afirmam que o entusiasmo com o Brasil também está voltando entre estrangeiros. A semana encerrada no dia 8, segundo levantamento da consultoria EPFR Global para a Folha, foi a de maior captação de fundos que investem em ações brasileiras desde abril do ano passado. A fatia dedicada a Brasil em fundos globais subiu em 2016 de 6% para 8,5% ao fim de 2017.

“Há maior apetite para emergentes, mas veio para o Brasil uma parcela pequena do que pode vir se a gente entrar nos trilhos, se passarem as reformas”, diz Sampaio.

Gestor de fundos focados em ações da América Latina da americana BlackRock, Will Landers, diz que vem aumentando sua alocação em ativos do Brasil gradualmente desde que viu sinais de troca de governo, em 2016. Hoje, 67% do fundo de cerca de US$ 2,3 bilhões está concentrado em ações brasileiras, maior percentual em cinco anos.

“O Brasil tem um potencial gigantesco que estava sendo desperdiçado com políticas antiquadas”, afirma.

“O país começou a recuperar a atenção do investidor e ainda há espaço para ganhar. O valor da Bolsa brasileira em dólares ainda está abaixo do patamar de 2011.”

Para Solange Srour, da gestora ARX, a atenção dos investidores está voltada para as reformas. “A Lava Jato pode até pegar pessoas conhecidas, mas, para o mercado, o importante é que não atinja pessoas que afetem a aprovação das reformas. Porque são elas que farão o país crescer.”

Deixe uma resposta