Noticias

Lula lidera em todos os cenários, diz pesquisa

Em meio à queda da aprovação do governo Michel Temer, com avaliação positiva de apenas 10,3% da população, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, réu em cinco processos relacionados à corrupção, aumentou suas intenções de voto e lidera em todos os cenários a disputa pela Presidência em 2018, no primeiro e segundo turnos, segundo pesquisa divulgada na manhã de ontem pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), em parceria com o instituto MDA.

O levantamento indica também o crescimento de uma possível candidatura do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), e a queda das intenções de voto da ex-senadora Marina Silva (Rede) e dos presidenciáveis tucanos: o senador Aécio Neves (MG), que preside nacionalmente a sigla, e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Em cenário para o primeiro turno com a presença do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e do presidente Michel Temer (PMDB), Lula tem 30,5%, mais do que os 24,8% registrados na pesquisa anterior, de outubro. Marina tem 11,8% ante 13,3% que tinha há quatro meses.

Marina está empatada com Bolsonaro, que ficou com 11,3% e cresceu em relação a outubro, quando tinha 6,5%. Aécio tem 10,1%, ante 15,7% da pesquisa anterior. Ciro tem 5% e no levantamento passado, 7,4%. Temer registrou 3,7%, também uma queda em relação aos 6,2% registrados em outubro.

Nesse cenário, a pesquisa CNT/MDA detalhou o perfil dos eleitores de pré-candidatos à Presidência em 2018. Lula tem maior intenção de voto entre os menos escolarizados, com menor renda e moradores da região Nordeste. Aécio também tem melhor desempenho entre os eleitores com menor renda e menos escolaridade, mas vai melhor na região Sudeste.

Já Marina e Bolsonaro têm maior intenção de votos entre os eleitores com ensino superior e com renda acima de cinco salários mínimos. O deputado do PSC é mais popular entre os homens e jovens entre 25 e 34 anos, do Sudeste e Sul.

No segundo cenário, com Alckmin como candidato do PSDB, Lula tem 31,8%, Marina 12,1%, Bolsonaro 11,7%, Alckmin 9,1%, Ciro 5,3% e o empresário do setor têxtil Josué Alencar (PMDB), 1%. O terceiro cenário exclui Temer e o pedetista e mostra Lula com 32,8%. Marina Silva com 13,9%, Aécio com 12,1% e Bolsonaro com 12%.

O instituto testou seis cenários para o segundo turno. Lula venceria Aécio, Marina e Temer. A maior diferença é em relação ao presidente, que seria derrotado por 42,9% a 19%. Aécio ganharia de Temer e empataria com Marina. A ex-senadora derrotaria o presidente no confronto direto. Bolsonaro não foi incluído nas simulações.

Para o presidente da CNT, Clésio Andrade, o aumento da popularidade de Lula pode ser explicado pelas “saudades” de seus dois mandatos. “A comoção pesou a favor e provavelmente alguma coisa de saudade, dos bons tempos de Lula”, disse Clésio, citando também a morte da esposa do ex-presidente, Marisa Letícia, neste mês.

Clésio afirmou que com aumento das intenções de voto de Bolsonaro, o nome do deputado será testado para o segundo turno na próxima pesquisa.

O levantamento mostra uma queda da avaliação positiva do governo Temer de 14,6% para 10,3%. O percentual é próximo do menor patamar já registrado pela pesquisa, de 8%, em julho de 2015, pela então presidente Dilma Rousseff. A aprovação pessoal de Temer também teve queda, de 31,7% para 24,4%.

A avaliação negativa do governo subiu de 36,7% para 44,1% no período. Para 38,9%, a avaliação foi regular. Não souberam opinar 6,7% contra 12,5% em outubro. A desaprovação pessoal de Temer subiu de 51,4% para 62,4%. Nesse quesito, 13,2% não opinaram.

O levantamento revela também que 68,1% dos brasileiros acreditam que a Operação Lava-Jato vai reduzir em algum nível a corrupção no Brasil nos próximos anos. Mas apenas 4,9% creem que acabará com a corrupção. Ao todo, 89,3% disseram já ter ouvido falar da operação.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas em 138 municípios, de 25 Estados, entre os dias 8 e 11 de fevereiro. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos, com 95% de nível de confiança.

Deixe uma resposta