Noticias

Aprovação ao governo cai a 10%, diz pesquisa, diz o Estadão

A avaliação do governo de Michel Temer piorou, de acordo com pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT/MDA) divulgada ontem. Entre outubro do ano passado e fevereiro deste ano, o porcentual dos que consideram a atual gestão boa ou ótima passou de 15% para 10%. Já o índice dos que avaliam o governo do peemedebista como ruim ou péssimo foi de 37% para 44%.

A desaprovação a Temer também aumentou desde outubro. Passou de 51% para 62% agora. “A situação envolvendo a popularidade (de Temer) é muito crítica. Mas, por outro lado, (Temer) tem uma base política muito forte (no Congresso). Provavelmente, essa é a questão que mais sustenta o governo, o que poderá ajudar nas reformas”, disse ontem o presidente da CNT, Clésio Andrade.

Dentro da margem de erro, o índice de aprovação do atual governo é o mesmo registrado em outubro de 2015 pela então presidente Dilma Rousseff – na época, apenas 9% consideravam a administração da petista boa ou ótima. Já o índice dos que avaliavam a gestão de Dilma ruim ou péssima era de 70%, segundo a CNT/MDA.

Na ocasião, Temer, que era vice-presidente, afirmou em palestra a empresários, em São Paulo, que seria difícil Dilma resistir até o fim do mandato por causa da baixa popularidade.

Cenário eleitoral. Se as eleições presidenciais fossem hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva venceria a disputa. Em um dos cenários estimulados (quando os nomes dos candidatos são apresentados ao entrevistado), Lula tem 30%, seguido pela ex-ministra Marina Silva (Rede), com 12%, e pelo deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), com 11%. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) aparece em quarto lugar (10%). O ex-governador Ciro Gomes (PDT-CE) tem 5% e o presidente Michel Temer, 4%. Brancos, nulos e indecisos somam 28%.

Em uma segunda rodada estimulada, o petista aparece com 32%; Marina e Bolsonaro empatam em 12%, no segundo lugar. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), quarto colocado, tem 9%.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas, em 138 municípios nas cinco regiões do País, entre 8 e 11 de fevereiro. A margem de erro é de 2,2 pontos porcentuais e o nível de confiança é de 95%.

Deixe uma resposta