Noticias

Deputados ‘se calam’ sobre Previdência, diz o Estadão

O governo do presidente Michel Temer está mapeando as redes sociais dos deputados para acompanhar quem é contra ou a favor da reforma da Previdência, que pretende estabelecer, por exemplo, idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de todos os trabalhadores. Embora o discurso oficial seja de otimismo com as votações, o diagnóstico observado até o fim de janeiro preocupa: cerca de 60% da base aliada ainda não demonstrou qualquer posicionamento, apurou o ‘Estado’.

É natural muita gente não se manifestar no início, mas o número é alto”, disse uma fonte do governo. Outra parcela próxima a 20% se declarou favorável, mas metade desse grupo faz ressalvas em relação a alguns pontos, como as mudanças nas regras de aposentadoria rural e a inclusão de policiais civis e federais na proposta geral – militares ficaram de fora. Os demais deram indícios de que podem votar contra a proposta, número que o governo vai trabalhar para reverter.

O monitoramento inclui a avaliação de declarações e postagens em sites, perfis no Facebook e no Twitter, na imprensa, além de identificação dos grupos de apoio ao parlamentar. As conclusões da equipe são documentadas em planilhas e consolidadas em gráficos. O trabalho é mais intenso depois de protestos, como o dos policiais nesta semana em frente ao Congresso. “Está muito forte a pressão para esse início de tramitação, nem começaram os trabalhos”, comentou a fonte. O grupo busca detectar pontos que podem causar “rachas” na base.

Há preocupação com as expectativas que o núcleo político tem alimentado em torno da previsão de aprovar a reforma na Câmara e no Senado no primeiro semestre. Caso o Legislativo prolongue o processo até o segundo semestre, a área econômica teme que uma onda de pessimismo e ceticismo se abata, prejudicando a confiança e, em última instância, a recuperação da atividade.

Nomeações. As incógnitas entre os parlamentares devem diminuir com o avanço das nomeações no governo, cujo objetivo é “atender” aos diferentes grupos. Mas muitos desses postos estão sendo alvo de embates. A briga pela liderança do governo na Câmara, por exemplo, deve ser um importante balizador.

Durante a campanha de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para presidência da Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) surgiu como possível indicado a líder do governo na Casa em troca do apoio do PP, que integra o Centrão. A legenda de fato endossou a candidatura de Maia, embora o Centrão tivesse candidato próprio, Jovair Arantes (PTB-GO). Só que agora o PMDB reivindica o posto por avaliar que perdeu espaço para o PSDB no governo.

Caso Ribeiro não seja efetivado, isso pode significar um revés à reforma. PP e PR têm bancadas muito ligadas ao setor rural, que tem reclamado das propostas. As duas legendas, juntas, reúnem 86 deputados. O governo, por sua vez, precisa garantir 308 votos favoráveis à reforma em dois turnos no plenário da Câmara.

Os movimentos de Jovair estão sendo seguidos de perto pelo governo, principalmente depois do resultado da eleição da Mesa Diretora, em que o petebista surpreendeu com 105 votos. “Temos de mapear como Jovair está se posicionando. Ele tem um grupo na mão”, disse a fonte.

Deixe um Comentario