Noticias

Pedido para investigar peemedebistas cita ‘solução Michel’, diz o Estadão

No pedido ao Supremo Tribunal Federal para investigar os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Romero Jucá (PMDB-RR), o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) e o expresidente da Transpetro Sérgio Machado por suposta obstrução à Lava Jato, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cita a “solução Michel”. Janot usa a expressão para se referir a um “acordão” que teria o objetivo de barrar a operação com a chegada de Michel Temer à Presidência.

Segundo Janot, o “plano” elaborado pelo que chamou de “quadrilha” foi colocado em prática logo após Temer assumir interinamente a Presidência, em maio do ano passado.

Mais de uma vez, nas conversas gravadas, o senador Romero Jucá evidencia que o timing para a implementação do grande acordo de estancamento da Operação Lava Jato ficaria especialmente favorecido com o início do governo de Michel Temer”, afirmou Janot no pedido.

O procurador não atribui a Temer envolvimento com o grupo de peemedebistas na trama para interferir nas investigações.

Diálogo. “Romero Jucá e Sérgio Machado discutem a ‘solução Michel’, que, segundo eles, seria o ideal para ‘parar tudo’ porque ‘delimitava onde está’ (referindo-se à Operação Lava Jato), fazendo um ‘grande acordo nacional’, inclusive ‘com o Supremo, com tudo’”, diz Janot, em referência a uma conversa de Jucá com Machado.
O diálogo entre os dois consta do acordo de delação do ex-presidente da Transpetro. “Rapaz, a solução mais fácil era botar o Michel (…) É um acordo, botar o Michel, num grande acordo nacional”, diz Machado. Jucá responde: “Com o Supremo, com tudo”. “Aí parava tudo”, diz Machado. “É. Delimitava onde está, pronto”, afirma Jucá. Procurado, o Palácio do Planalto não se manifestou até a conclusão desta edição. Em nota divulgada anteontem, Renan negou ter atuado para embaraçar qualquer investigação. Defensor de Jucá e Sarney, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que nas gravações “não tem nenhum sinal de qualquer tentativa de obstrução”. A defesa de Machado não foi localizada.

Deixe um Comentario