Noticias

O pouso suave de Renan é o título de artigo de Bernardo Mello Franco na Folha

Renan Calheiros é um vencedor. Réu em ação por desvio de dinheiro público, alvo de 11 inquéritos no STF, ele acaba de completar o terceiro mandato na presidência do Senado. Seu último discurso ajuda a explicar por que a sucessão de escândalos não foi capaz de derrubá-lo da cadeira.

Ao se despedir, o peemedebista reafirmou um dos valores mais prezados pelos senadores: o corporativismo. Ele atacou a Lava Jato, reclamou da Polícia Federal e saiu em defesa de colegas que também são acusados de receber propina.

“A política exige reflexão, responsabilidade e altivez”, disse, em tom professoral. Segundo Renan, os políticos não podem ser “uma manada tangida pelo medo e subjugada pela publicidade opressiva”. “Jamais seria presidente do Senado pra me conduzir com medo”, congratulou-se.

A título de exaltar a própria coragem, o alagoano passou a criticar as ofensivas da Lava Jato contra senadores suspeitos de corrupção. Ele acusou a operação de promover “conduções coercitivas impróprias”, “buscas e apreensões ilegais” e “vazamentos manufaturados”.

O peemedebista não citou nomes, mas falava em defesa de aliados notórios, como o ex-presidente Fernando Collor e o lobista Milton Lyra. Em outra passagem do discurso, ele condenou a prisão do ex-senador Delcídio do Amaral, flagrado numa trama para obstruir as investigações.

Fiel ao estilo de dizer uma coisa para defender seu oposto, o alagoano jurou defender a “continuidade da Lava Jato”. Na mesma frase, pregou a “pacificação” do país. “Depois das turbulências, é hora de um pouso suave para o Brasil”, recitou.

Ninguém sabe o que acontecerá com o Brasil após a delação da Odebrecht, mas o pouso de Renan não poderia ter sido mais suave. No fim do discurso, ele ainda defendeu a eleição de Eunício Oliveira, a quem definiu como “mais que um amigo”. O “Índio” ganhou de lavada, com os votos de três quartos dos senadores.

Deixe uma resposta