Noticias

Decisão para prender Eike foi assinada 11 dias antes de viagem do empresário, diz a Folha

A decisão do juiz Marcelo Bretas, que determinou a prisão preventiva do empresário Eike Batista, foi assinada 11 dias antes de o suspeito embarcar para Nova York.

Autoridades afirmaram na quinta-feira (26) que não há suspeita de vazamento de informação. O empresário embarcou na terça-feira (24) e até a noite desta sexta (27) não havia se entregado às autoridades.

A Polícia Federal já acionou agentes lotados no Estados Unidos para tentar localizar o empresário, acusado de pagar e ajudar a ocultar propina de US$ 16,5 milhões ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB).

Bretas assinou a decisão que deferiu as prisões preventivas da Operação Eficiência no dia 13. Os mandados, porém, só foram enviado à Polícia Federal na quarta-feira (25).

De acordo a Justiça Federal e a polícia, o tempo era o necessário para organizar a operação, que mobilizou cerca de 80 agentes.

“Os investigados foram acompanhados. Não havia restrição no sistema para ele sair do país. Isso comprometeria totalmente a investigação”, afirmou o delegado Tácio Muzzi, coordenador da Lava Jato da PF no Rio.

Os mandados só foram incluídos no Banco Nacional de Mandados de Prisão na madrugada de quinta, quando Eike já havia desembarcado em Nova York.

“Não havia prévio conhecimento [da viagem]. Estava-se acompanhando movimentação dos investigados. Na madrugada de hoje chegou a informação que poderia ter saído para fora do país”, disse Muzzi.

Agentes afirmam que a inclusão no banco de dados pode alertar investigados sobre futuras operações e acelerar a ocultação de provas.

A resolução do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) que regula o uso do banco de dados afirma que a informação sobre o mandado deve ser inserido até um dia depois da expedição do documento –o que de fato ocorreu.

O CNJ também faculta ao juiz a expedição de mandados em caráter restrito. Neste caso, a informação deve ser incluída no banco de dados quando a ordem for cumprida.

Não é a primeira vez que a ausência de um mandado no banco de dados do CNJ provoca confusão na Operação Lava Jato no Rio.

Apontado pelo Ministério Público Federal do Rio como operador financeiro da quadrilha comandada por Cabral, Luiz Carlos Bezerra foi posto em liberdade por engano em novembro.

Durante o cumprimento do mandado de prisão preventiva da operação, Bezerra foi flagrado com armas irregulares em casa.

Outro juiz lhe concedeu liberdade provisória em relação a esse crime. Como o mandado da Operação Calicute não estava no sistema, ele acabou dormindo uma noite em casa.

Eike já é considerado foragido pela PF e a Justiça Federal solicitou sua inclusão na difusão vermelha da Interpol.

Deixe uma resposta