Análises

Incerteza de aprovação adia reforma trabalhista e Renan segue líder

Incerteza aprovação adia reforma trabalhista, Renan continua o líder oposicionista e Rocha Loures pode ser julgado em Curitiba

Ainda nas cordas e ensaiando espasmos de normalidade, a terça-feira (30-05) foi de revés para o presidente Michel Temer. A votação da reforma trabalhista, emblemática para o momento de vulnerabilidade, foi adiada sob rumores de ausência de votos. A postergação compromete o calendário de tentar votar o tema ainda antes do recesso e a nova data coincide com a sessão prevista do TSE.

O segundo viés de baixa foi a recusa do deputado Osmar Serraglio em assumir a Pasta da Transparência e retornar ao mandato de deputado federal. O movimento desaloja Rodrigo Rocha Loures do foro privilegiado (pode ser preso sem autorização da Câmara) e o remete para 1 instância. O governo duplica sua ansiedade com a perspectiva de uma delação premiada. Flagrado com uma mala de dinheiro, Rocha Loures, da intimidade de Temer, é tido como um personagem frágil e suscetível a pressões.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório